Governo inclui Classes das portagens na renegociação das PPP com a Brisa

  • ECO
  • 26 Março 2018

O Governo anunciou a criação de uma nova comissão para a renegociação da concessão da Brisa. Além de tentar obter poupanças, põe as classes de portagens "em cima da mesa".

O Governo extinguiu uma, criou outra. Está criada uma nova comissão para renegociar o contrato de concessão da Brisa Concessões Rodoviárias (BCR). Maria Ana Soares Zagallo foi escolhida pelo Executivo para tentar obter poupanças com esta Parcerias Público-Privada (PPP), mas também passa a ter a responsabilidade de negociar a revisão do sistema de portagens. A redefinição das Classes 1 e 2 está “em cima da mesa”.

Em Diário da República, o Governo anuncia “a dissolução da comissão de negociação do contrato de concessão relativo à construção, conservação, e exploração de autoestradas outorgada pelo Estado Português à Brisa – Auto-Estradas de Portugal”, seguida da “constituição de uma nova comissão de negociação que promoverá o processo de renegociação do Contrato de Concessão”.

O mandato desta nova comissão, que será liderada por Maria Ana Soares Zagallo, terá como objetivo, entre outros, a “exploração de possibilidades de obtenção de ganhos de eficiência na relação contratual, incluindo a definição de mecanismos relativos à monitorização e avaliação da qualidade de serviço, à semelhança do que se verifica com outras concessões e subconcessões rodoviárias”. Ou seja, mantém-se o foco nas poupanças com PPP.

Mas esta comissão passará também pela “avaliação das condições para a implementação das propostas do Grupo de Trabalho informal para a ‘Eventual Revisão do Sistema de Classificação de Veículos Ligeiros (Classes 1 e 2) para efeitos de Aplicação de Taxas de Portagem’, que têm como propósito a adaptação do atual regime às evoluções técnicas e regulamentares do mercado automóvel“, refere.

Defende o Executivo que “devem ser avaliadas e equacionadas com a BCR as condições para a implementação das propostas do Grupo de Trabalho informal [sobre as classificações de portagem], que têm como propósito a adaptação do atual regime às evoluções técnicas e regulamentares do mercado automóvel”.

Respondendo a diretivas europeias, a indústria automóvel tem vindo a tornar mais elevados, ao eixo dianteiro, os modelos em comercialização. Se noutros países essa mudança, que visa a proteção dos peões em caso de embate, não tem qualquer impacto, em Portugal traduz-se em portagens mais caras.

As Classes de portagem em Portugal são definidas pela altura do veículo ao eixo dianteiro, sendo que os que superam os 1,10 metros são abrangidos na Classe 2 (ainda que haja exceções). O que o Grupo de Trabalho informal recomendou ao Governo é que as Classes devem ser definidas conforme o peso do veículo e não a altura do eixo da frente, como atualmente.

Para alterar o sistema é preciso, contudo, renegociar com as concessionárias, sendo a Brisa uma delas. O Governo já está em contacto com a Brisa que tem optado por não fazer comentários para “não alimentar especulações”. Ao ECO, a concessionária deixou em aberto a revisão das Classes, mas reiterou que quer “assegurar o equilíbrio do modelo económico e financeiro do contrato” de concessão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo inclui Classes das portagens na renegociação das PPP com a Brisa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião