Haitong soma prejuízos de 130 milhões

Agravamento dos prejuízos de 35% face a 2016 não impede equipa de gestão do Haitong de falar em sinais positivos. Reestruturação custou 50 milhões.

O Haitong revelou hoje as suas contas de 2017 ao mercado apresentado um prejuízo de 130 milhões de euros, um agravamento 35% dos resultados líquidos negativos, uma redução de 25% da sua carteira de crédito e imparidades no montante de 86 milhões de euros.

“Os elevados custos de restruturação e as imparidades relacionadas com a deterioração da carteira de crédito conduziram ao elevado prejuízo registado pelo banco, exigindo o apoio adicional do acionista no reforço do seu capital”, sintetizam o presidente da comissão executiva, Wu Min, e o presidente do conselho de administração, Lin Yong, na mensagem conjunta no início do relatório e contas de 2017, publicado esta terça-feira na CMVM. O banco realizou diversos aumentos de capital no total de 419 milhões de euros: “200 milhões em novos fundos e 219 milhões de euros através da conversão em capital de 80 milhões de euros em instrumentos AT1 e de 139 milhões de euros de um empréstimo acionista”, precisa o documento.

O Haitong também comunicou esta terça-feira ao mercado a emissão de 130 milhões de dólares em dívida perpétua para reforçar os seus capitais.

Apesar destes indicadores negativos, os responsáveis da instituição estão “otimistas quanto ao futuro” e tendo em conta os “resultados operacionais mensais positivos”, mas também o facto da agência de notação financeira S&P ter melhorado a perspetiva do rating do banco, de negativa para estável. “Embora estejamos plenamente conscientes dos grandes desafios que nos esperam, estes sinais demonstram que estamos no caminho certo”, sublinham.

Os prejuízos de 130 milhões de euros foram “penalizados pela deterioração” da carteira de crédito — que sofreu uma redução de 25%, atingindo um montante líquido de 630 milhões de euros –, “que conduziu a imparidades e provisões adicionais no montante de 86 milhões de euros em 2017″, revela o relatório e contas. Este resultado compara com os prejuízos de 96,18 milhões registado no ano anterior.

Os ativos financeiros também registaram uma quebra de 56% em 2017, “resultante de uma redução prudente do balanço devido às restrições de capital”, justifica o banco. Sendo que a indisponibilidade de capital para investir em novos ativos “explica, em parte, a descida das receitas”. De acordo com o mesmo documento.

Mas nem tudo foi mau. Ao longo de 2017 houve uma redução de 42% no stock de crédito com incumprimento, as comissões aumentaram 65%, para 56,3 milhões de euros, e os custos operacionais também caíram, isto se for descontado o efeito extraordinário do plano de reestruturação implementado o ano passado, que custou 50 milhões de euros. Se esse efeito não for descontado então os custos operacionais registam “um crescimento homólogo de 5,5%, atingindo 126 milhões de euros”. A gestão do banco reconhece que esta operação de reestruturação foi fundamental — “um passo crucial” — para que o banco possa “registar resultados operacionais positivos”.

“Durante o último ano, estivemos concentrados em reformular a estratégia do banco, reajustando a dimensão da organização, a cultura empresarial e a sua base de custos”, explicam Wu Min e Lin Yong. Mas agora, do ponto de vista estratégico, o Haitong “pretende explorar os fluxos de negócio entre a China e a Europa e entre a China e a América Latina, capitalizando no seu posicionamento competitivo nesses mercados”. Mas também aproveitar a “enorme oportunidade” que representa a “crescente proeminência da China como potência económica global”.

O banco não deixou de recordar a entrada de novos membros para o conselho de administração do ex-Besi, nomeadamente Alan do Amaral Fernandes, António Domingues, Christian Georges Jacques Minzolini, Mo Yiu Poon, Pan Guantao, Paulo José Lameiras Martins, Vincent Marie L. Camerlynck e Xinjun Zhang que receberam luz verde do Banco de Portugal para inicial funções no início de 2017.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Haitong soma prejuízos de 130 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião