Operadoras contra fim das fidelizações. “Favorecem os clientes”, diz a Apritel

A associação que representa a Meo, Nos e Vodafone está contra as propostas para limitar o período máximo de fidelização, de dois para um ano. Considera que os prazos "favorecem os clientes".

A Apritel considera que “os prazos de fidelização favorecem os clientes”. É assim que a representante das principais operadoras de telecomunicações portuguesas reage às propostas que vão ser discutidas no Parlamento esta sexta-feira, num documento enviado ao ECO. Três dessas propostas tencionam limitar a seis ou a 12 meses o prazo de fidelização máximo que as operadoras podem contratualizar com os consumidores. Além disso, para a associação, os 24 meses são “um prazo razoável”.

A associação, que representa operadoras como a Meo, a Nos e a Vodafone, começa por justificar que Portugal tem serviços de telecomunicações com “um nível de qualidade, diversidade e inovação em linha com os países com maior poder de compra da União Europeia”. E refere que “serviços deste tipo têm associados custos substanciais de instalação, equipamentos, serviços e conteúdos”, estes últimos “adquiridos a preços internacionais”. Os períodos de fidelização, explica a Apritel, “permitem diluir no tempo” esses custos.

“A grande mais-valia associada a períodos de permanência ou de fidelização é exatamente a de permitir aos clientes subscreverem serviços de elevada qualidade sem incorrerem em custos substanciais”, continua fonte oficial da associação. “E daí que os clientes prefiram serviços com períodos de fidelização associados”, remata.

A Apritel explica ainda porque é que os pacotes com fidelizações mais baixas são substancialmente mais caros. Isto acontece porque “os custos de adesão aos mesmos associados não são repercutidos num período temporal mais extenso”. “A Apritel considera, por isso, que os prazos de fidelização favorecem os clientes. Esta é, aliás, uma visão partilhada pela Autoridade da Concorrência e por todos os mercados e reguladores da União Europeia, que acolhem os 24 meses como um prazo razoável”, garante a instituição.

Não faz qualquer sentido privar os portugueses do acesso contínuo aos melhores serviços só porque há uma visão política contra a permanência.

Apritel

Em comunicado

Propostas do PAN e BE não têm “justificação”

É desta forma que a Apritel responde às diversas propostas de alteração à Lei das Comunicações Eletrónicas que vão ser debatidas esta sexta-feira de manhã, na Assembleia da República (AR). Desta feita, a Apritel volta-se especificamente para as propostas do PAN e do BE e diz que estas não têm “justificação”. “A lei já obriga os operadores a disponibilizarem serviços em todas as modalidades de prazos e a comunicá-los de forma bastante clara. Tudo isso já é feito”, refere.

E continua: “A fidelização é relativa. O cliente pode sempre rescindir, mediante uma compensação pelo investimento que não se encontra amortizado, tendo a revisão da Lei das Comunicações Eletrónicas de 2016 limitado bastante o valor máximo das indemnizações.”

A Apritel conclui, dizendo que “o regime” em vigor “é bastante equilibrado” e que o setor “adaptou-se”. “Os dados económicos após a adoção da lei mostram que os portugueses consomem mais serviços e que estão a pagar menos. Prova disso é a contínua redução das receitas totais do setor, que continua a registar-se após esta revisão legislativa”, termina a associação.

Este é o mais recente desenvolvimento num assunto que promete voltar à ordem do dia. As propostas em cima da mesa vão ser discutidas esta sexta-feira no Parlamento. O PS já veio dizer que quer encontrar consensos na especialidade.

(Notícia atualizada pela última vez às 18h46)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operadoras contra fim das fidelizações. “Favorecem os clientes”, diz a Apritel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião