Nestlé em Cascais? Obras estão a avançar, mas empresa continua a negar acordo

Seis meses depois de Carlos Carreiras ter anunciado a ida da Nestlé para Cascais e a criação de milhares de empregos, ainda não há certezas de nada. As obras avançam, mas a empresa nega acordo.

Mais de seis meses depois do autarca de Cascais ter anunciado a instalação de um novo centro de serviços partilhados da Nestlé no município, o processo continua envolto em neblina. As obras estão a avançar, mas a gigante continua a negar o acordo. A Câmara, por sua vez, diz que conseguir atrair a empresa suíça para o concelho não é competência da autarquia, mas sim do promotor do empreendimento.

“Mantém-se tudo exatamente igual. Ainda não foi assinado contrato nenhum”, explica ao ECO fonte da Nestlé, referindo que Cascais se mantém como uma das opções para a instalação do centro que deverá vir a suportar toda a operação da multinacional na Europa Ocidental (ou seja, a empresa está em fase de prospeção).

Em setembro do ano passado, Carlos Carreiras tinha dado como certo que os contratos associados a este projeto estariam fechados até ao final desse mês, o que acabou por não acontecer. De acordo com o que o autarca adiantou, ao Expresso, nessa ocasião, o Nestlé Business Services iria nascer no lugar da antiga fábrica da Legrand — um espaço que está, efetivamente, a ser transformado… mas não pelas mãos da empresa suíça. O empreendimento está a cargo de um consórcio de investidores liderado pela construtora Telhabel. “Licenciámos [a obra] e as coisas estão a avançar”, garante a Câmara de Cascais.

A construtora com sede em Famalicão e uma filial em Angola recusa comentar o caso em curso, apesar de, em setembro, segundo o Jornal Económico, ter a expectativa de que o acordo com a Nestlé seria fechado nos dias seguintes.

Portanto, em cima da mesa estão agora três hipóteses: ou há uma negociação em curso com a Nestlé (seis meses depois de ter sido anunciada a iminência do seu fecho), ou já há outro investidor interessado em ocupar esse espaço, ou então as obras em curso são apenas de caráter “genérico” e podem acomodar qualquer tipo de serviço.

Na entrevista ao Expresso, Carlos Carreiras referira ainda a criação de milhares de empregos com a instalação do centro em causa, o que poderia, efetivamente, acontecer, mas apenas se o pólo de apoio se mudasse para o espaço esperado.

Apesar do silêncio da Telhabel e da contínua rejeição de qualquer acordo por parte da Nestlé, em entrevista ao Eco24, em fevereiro, Carlos Carreiras deixou a nota: “Tenho fortes expectativas de que, inclusivamente, seja ainda maior o envolvimento da Nestlé em Cascais do que aquele que foi anunciado nesse período”.

De acordo com a Câmara de Cascais, a obra de remodelação da antiga fábrica da Legrand deverá estar fechada em setembro do próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nestlé em Cascais? Obras estão a avançar, mas empresa continua a negar acordo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião