5 coisas que vão marcar o dia

O debate da eventual abertura da ADSE a mais beneficiários, dados sobre o comércio internacional, bem como a divulgação do World Economic Outlook do FMI, vão marcar o arranque da semana.

Não só em Portugal, como a nível global um dos temas que deverá estar em foco no primeiro dia da semana é a divulgação do World Economic Outlook pelo FMI. Mais a nível nacional, referência para a divulgação dos dados sobre o comércio internacional relativos a fevereiro; para a reunião do Conselho de Supervisão da ADSE, onde poderá ser discutido o alargamento deste regime a mais beneficiários; mas também para uma conferência que decorre no Porto sobre “Capitalização de Empresas” que terá como oradores Carlos Costa e Faria de oliveira.

Há boas notícias das exportações?

São um dos principais motores da economia portuguesa: as exportações. O INE apresenta esta manhã dados relativos a fevereiro no setor exportador nacionais, depois de os números do primeiro mês do ano não terem sido animadores. Em janeiro, as importações (+12,4%) cresceram mais do que as exportações (+9,6%), com o défice comercial de bens a piorar 245 milhões de euros face ao mês homólogo.

Uma análise à capitalização das empresas

A “Capitalização de Empresas” estará em debate no Porto nesta segunda-feira, numa iniciativa da JPAB – José Pedro Aguiar Branco Advogados. A conferência que decorre na parte da manhã na Santa Casa da Misericórdia, tem como objetivo perceber, analisar e discutir matérias sobre a autonomia financeira das empresas e os mecanismos de capitalização. Conta com a participação de José Pedro Aguiar Branco (sócio fundador da JPAB), Paulo Nunes de Almeida (presidente da AEP), Alberto Castro (presidente da IFD), Fernando Faria de Oliveira (presidente da APB), Cristina Sofia Dias (secretária geral da CMVM) e Carlos Costa (governador do Banco de Portugal).

ADSE: Abertura a novos beneficiários?

O Conselho de Supervisão da ADSE, dirigido por João Proença, reúne-se esta segunda-feira. As controversas novas tabelas de pagamentos já entraram em vigor no dia 1 de abril, pelo que os membros deste conselho, que tem um parecer consultivo acerca das decisões da administração do subsistema de saúde dos funcionários públicos, deverão agora focar-se no debate acerca da abertura da ADSE a novos beneficiários.

A visão do FMI sobre a economia global

Abril volta a ser ocasião para o FMI revisitar a economia mundial para uma nova análise. A entidade liderada por Christine Lagarde divulga o World Economic Outlook, um documento que tem como objetivo apresentar as projeções para os desenvolvimentos económicos a nível global, dos principais blocos de países ou em termos individuais. Nesta segunda-feira, será a vez de conhecer os três primeiros capítulos analíticos do documento, que têm foco nos seguintes temas: participação da força de trabalho nas economias avançadas, alterações da atividade industrial global, e uma análise à questão de se o crescimento da produtividade está a ser partilhado pelas economias a nível global? Em setembro, haverá mais novidades deste documento.

Gasolina mais barata esta semana

Após as férias da Páscoa, para além de um pico no tráfego, houve um pico no preço dos combustíveis, com a gasolina e o gasóleo a subirem para máximos de quase três meses. Na próxima semana, os condutores de veículos a gasolina vão poder “respirar de alívio”. É que abastecer com este combustível pode ficar até um cêntimo por litro mais barato. Já o preço do gasóleo fica inalterado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião