Governo nomeia duas mulheres para administradoras não executivas da CGD

  • Lusa
  • 9 Abril 2018

Mary Jane Antenen e Altina Gonzalez Villamarin são as novas administradoras não executivas do banco público, com mandatos até 2020.

O Governo escolheu duas mulheres para administradoras não executivas da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Mary Jane Antenen e Altina Gonzalez Villamarin, disse o banco em comunicado ao mercado.

A nomeação foi feita por “deliberações unânimes por escrito” do Estado, acionista único da CGD, após “a não oposição do Banco Central Europeu quanto à avaliação da adequação dos membros propostos”, segundo a informação à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Com estas nomeações, passam a três as mulheres que são administradoras não executivas do banco público.

Atualmente, o Conselho de Administração da CGD é liderado por Rui Vilar, tendo Paulo Macedo como vice-presidente e presidente executivo.

Os administradores não executivos são Ana Maria Machado Fernandes, José Maria Monteiro de Azevedo Rodrigues, Alberto Souto Miranda, Hans-Helmut Kotz e João José Amaral Tomaz (este, segundo o ‘site’ da CGD, com suspensão do mandato por 90 dias). Já os administradores executivos são Francisco Cary, João Paulo Tudela Martins, José António da Silva de Brito, José João Guilherme, Maria João Carioca, Nuno Alexandre de Carvalho Martins e Carlos António Torroaes Albuquerque.

Segundo informações recolhidas pela Lusa, Mary J. Antenen foi administradora no banco suíço Falcon Private Bank. Já Altina de Fátima Sebastian Gonzalez Villamarin, professora de finanças, já esteve ligada ao Banco Caixa Geral España. Os mandatos de Mary Jane Antenen e Altina de Fátima Sebastian Gonzalez Villamarin prolongam-se até 2020.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo nomeia duas mulheres para administradoras não executivas da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião