Juros negativos no crédito põem em causa ratings dos bancos, diz APB

  • ECO
  • 9 Abril 2018

Parecer da Associação Portuguesa de Bancos (APB) enviado ao Parlamento critica a aplicação integral de taxas de juro negativas no crédito à habitação.

A Associação Portuguesa de Bancos (APB) defende, num parecer escrito, que a aplicação integral de taxas de juros negativas no crédito à habitação pode afetar o rating dos bancos, noticia esta segunda-feira o Jornal de Negócios. Ao ECO, a APB já tinha indicado que o acordo entre PS e Bloco de Esquerda era uma medida “incoerente e desequilibrada”.

No seu parecer, enviado aos deputados da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, a associação defende que a iniciativa pode colocar em causa os progressos ao “nível da imagem do país e do sistema financeiro”, escreve o Jornal de Negócios.

De acordo com a APB, a medida seria “objeto de uma leitura muito negativa por parte das agências de ‘rating’ e do mercado”. “Colocaria os bancos portugueses numa situação de desvantagem face aos pares, e poria em causa os significativos progressos conseguidos recentemente a nível da imagem do país e do sistema financeiro”, adianta ainda.

Ao ECO, a associação liderada por Faria de Oliveira já tinha recusado a possibilidade de um banco pagar ao cliente pelo empréstimo que lhe concedeu. E alertava que a aprovação da medida poderia “ter custos irreversíveis” para o setor, tanto no médio como no longo prazo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros negativos no crédito põem em causa ratings dos bancos, diz APB

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião