Crédito fácil pode abalar estabilidade financeira, alerta o FMI

  • Rita Atalaia
  • 10 Abril 2018

Os vários anos de crédito fácil podem vir a penalizar o crescimento económico, mas também aumentar a probabilidade de uma nova crise na banca. O aviso é deixado pelo FMI.

A política acomodatícia adotada pelo Banco Central Europeu (BCE) nos últimos anos deixou marcas no setor bancário. As instituições financeiras aproveitaram a onda de alívio das condições financeiras para cederem crédito fácil às famílias e empresas. Mas isto comporta um risco: se os bancos continuarem a ceder demasiados empréstimos podem vir a abalar a estabilidade financeira. O alerta é deixado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) num dos capítulos analíticos do World Economic Outlook divulgados esta terça-feira. Ou seja, o crédito fácil pode vir a penalizar o crescimento da economia, mas também aumentar a probabilidade de uma nova crise na banca.

“O longo período de alívio das condições financeiras vivido nos últimos anos criou receios de que os intermediários financeiros e investidores, numa procura por retorno, cederam demasiado crédito a devedores de maior risco, o que pode colocar em causa a estabilidade financeira“, afirma a entidade liderada por Christine Lagarde. Estes receios devem-se, explica o FMI, a “recentes sinais de determinados países de que períodos de taxas de juro baixas e condições financeiras fáceis podem levar a uma deterioração dos critérios de cedência de crédito”. E, consequentemente, a um aumento do risco de incumprimento destes empréstimos.

"O longo período de alívio das condições financeiras vivido nos últimos anos criou receios de que os intermediários financeiros e investidores, numa procura por retorno, cederam demasiado crédito a devedores de maior risco, o que pode colocar em causa a estabilidade financeira.”

Fundo Monetário Internacional

A banca continua a limpar créditos do balanço. No total do ano passado, o malparado encolheu em 9,3 mil milhões de euros, tendo registado a maior queda trimestral de sempre no final de 2017.

Para o fundo, é preciso monitorizar o risco associado aos créditos de maneira a que as autoridades consigam mitigá-lo de forma atempada. Caso contrário, isto pode vir a penalizar “o crescimento do Produto Interno Bruto e aumentar a probabilidade de novas crises e stress no setor bancário”.

O Banco de Portugal também está preocupado com a evolução da concessão de crédito às famílias. Decidiu, por isso, recomendar aos bancos a imposição de limites a alguns dos critérios usados na avaliação de solvabilidade dos clientes. Em causa estão três medidas preventivas da iniciativa do regulador a aplicar nos novos contratos de crédito.

Em concreto, a criação de limites para o rácio entre o montante do financiamento face ao valor do imóvel que serve de garantia (LTV), o estabelecimento de um teto máximo para o rácio entre os encargos com créditos e o rendimento familiar, bem como uma limitação à maturidade dos empréstimos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito fácil pode abalar estabilidade financeira, alerta o FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião