FMI afasta necessidade de programa de assistência financeira a Angola

  • Lusa
  • 16 Março 2018

Angola vive uma profunda crise financeira, económica e cambial desde finais de 2014, devido à quebra na cotação do barril do petróleo no mercado internacional.

O chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) para Angola disse esta sexta-feira que a instituição está disponível para negociar um programa de assistência financeira com o Governo angolano, mas admite que não haja necessidade face à valorização do petróleo.

A posição foi transmitida pelo economista brasileiro Ricardo Velloso, esta sexta-feira, em Luanda, na conclusão de duas semanas de reuniões dos especialistas do FMI com o Governo e instituições angolanas, no âmbito das consultas regulares ao abrigo do Artigo IV.

“Nós não recebemos qualquer pedido de apoio financeiro das autoridades. Eu acho que, dada a conjuntura internacional, de preços mais elevados do petróleo (…) não há necessidade de financiamento do FMI para Angola. Obviamente que, se recebermos o pedido, vamos analisá-lo com todo o cuidado, como fazemos com qualquer país membro do FMI“, explicou Ricardo Velloso.

Nós não recebemos qualquer pedido de apoio financeiro das autoridades.

Ricardo Velloso

Economista brasileiro do FMI

Estas consultas, em Angola, decorreram entre 1 e 15 de março, tendo o FMI concluído que a economia angolana “está a observar uma ligeira recuperação económica”, estimando um crescimento da economia, este ano, de 2,2% do Produto Interno Bruto, comparativamente com 1% registado em 2017, “em resultado de um sistema mais eficiente de afetação de divisas e da maior disponibilidade de divisas devido ao preço mais elevado do petróleo“.

“O novo executivo está, corretamente, a concertar-se na restauração da estabilidade macroeconómica e na melhoria da governação. Além disso, as perspetivas mais favoráveis relativamente ao preço do petróleo oferecem uma oportunidade para reforçar as políticas macroeconómicas e dar um ímpeto renovado às reformas estruturais, permitindo a Angola realizar o seu pleno potencial”, enfatizou Ricardo Velloso.

De acordo com a previsão do FMI, a inflação anual deverá permanecer elevada, projetando-se que atinja 24,7% no final deste ano, “refletindo, entre outros fatores, o efeito da depreciação do kwanza”. “A médio prazo, as perspetivas são de uma recuperação gradual da atividade económica, mas existem riscos, como o declínio dos preços do petróleo e derrapagens na implementação das reformas estruturais necessárias para promover a diversificação económica”, alertou Ricardo Veloso.

Angola é atualmente o segundo maior produtor de petróleo em África, com um volume diário superior a 1,6 milhões de barris de crude. O Governo angolano estimou, no Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2018, um valor médio de 50 dólares por cada barril de petróleo exportado. Contudo, desde o início do ano que a cotação internacional está acima dos 60 dólares, criando um excedente nas receitas fiscais angolanas.

“Um preço do petróleo mais elevado que o previsto no orçamento pode resultar em receitas extraordinárias que devem ser usadas na regularização mais rápida dos [pagamentos] atrasados internos e/ou na diminuição da dívida”, aponta o FMI.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI afasta necessidade de programa de assistência financeira a Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião