FMI receia efeitos das gigantes tecnológicas com “controlo excessivo” do mercado

O Fundo Monetário Internacional (FMI) avisa que as empresas inovadoras são importantes, mas não podem ter um "controlo excessivo" do mercado onde atuam.

Inovação, sim. Monopólios, não. O FMI quer incentivos à inovação para aumentar o potencial de crescimento das economias globalizadas, mas alerta que as empresas inovadoras não podem fintar a concorrência. O aviso é feito pelo Fundo Monetário Internacional num dos capítulos analíticos do World Economic Outlook divulgados esta segunda-feira. Em causa estão empresas cuja tecnologia lhes dá um “controlo excessivo” do mercado onde operam.

A recomendação do FMI é simples: os governos têm de assegurar que “as empresas inovadoras não tiram partido da nova tecnologia adquirida para ganhar um controlo excessivo do mercado em detrimento dos consumidores”. Mas este é um assunto complexo, assume. “O desenho das medidas deve manter uma concorrência suficiente e permitir que haja inovações subsequentes pelos concorrentes”, explica o Fundo.

Ou seja, a entidade liderada por Christine Lagarde considera que é preciso “prevenir o abuso do poder” que certas empresas inovadoras exercem. O FMI não elenca nenhuma empresa, mas a descrição encaixa em alguns exemplos que ultimamente têm sido abordados pela Comissão Europeia: é o caso da Google ou do Facebook, empresas com alcance mundial.

Os responsáveis políticos têm de ter a certeza que esses benefícios são amplamente partilhados pela população de forma transversal.

Fundo Monetário Internacional

Capítulo Analítico do World Economic Outlook

Recentemente, a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, avançou com investigações às gigantes tecnológicas e já aplicou multas milionárias. No caso da Google, a Comissão Europeia acusou a empresa de ter abusado da sua posição dominante no mercado dos motores de busca, multando-a com uma coima recorde de 2,4 mil milhões de euros. Já o Facebook foi multado em 110 milhões de euros a propósito da aquisição do Whatsapp.

Para o FMI existem evidências que sugerem que a concorrência internacional tem aumentado e que a concentração do mercado global tem diminuído, algo que quer preservar. O Fundo mostra os dois lados da moeda: por um lado, mais concorrência e menos concentração pode diminuir o incentivo para as empresas inovarem por terem menor retorno dessa inovação; por outro lado, mais concorrência e menor concentração pode incentivar a inovação para “escapar” à concorrência e assegurar o retorno da inovação, ainda que seja menor, de forma a recuperar o investimento feito.

A principal preocupação do Fundo é que a diminuição da concorrência possa vir a ter (ou já esteja a ter) efeitos negativos na distribuição da riqueza. “Este capítulo tem destacado o efeito positivo da globalização no crescimento [económico]”, admite o FMI, para depois alertar que nem tudo é positivo: “Os responsáveis políticos têm de ter a certeza que esses benefícios são amplamente partilhados pela população de forma transversal”.

Além de aconselhar medidas para promover a concorrência, o FMI diz que é necessário promover políticas que facilitem o ajustamento dos trabalhadores à nova realidade do mercado de trabalho, nomeadamente investindo na educação e na requalificação das aptidões. Mas os governos devem também ajustar os benefícios fiscais que dão de forma “a realocar os ganhos de rendimento”.

“As preocupações de que a globalização pode exacerbar a desigualdade dentro dos países também se aplicam ao crescimento beneficiado pela difusão de tecnologia”, assinala o Fundo. Apesar de referir que há casos de países onde a tecnologia tem aumentado a concentração dos mercados, o FMI destaca o aumento das empresas em economias emergentes que transformaram a concorrência internacional, reduzindo a concentração global na maior parte das indústrias.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

FMI receia efeitos das gigantes tecnológicas com “controlo excessivo” do mercado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião