Uniplaces quer mais 400 anúncios em Coimbra

  • Juliana Nogueira Santos
  • 10 Abril 2018

A empresa portuguesa quer reforçar a presença em Coimbra querendo ter, até 2018, 1.500 anúncios de quartos para estudantes na cidade.

Para a Uniplaces, ter 1.100 anúncios em Coimbra não é suficiente. A startup portuguesa especializada em aluguer de quartos para estudantes anunciou que quer reforçar a aposta na cidade dos estudantes, aumentando de 1.100 para 1.500 as ofertas disponíveis.

“A Uniplaces está a reforçar o número de propriedades disponíveis para arrendamento na cidade de Coimbra e pretende, até final de 2018, aumentar a oferta de 1100 para 1500 anúncios na cidade que conta com uma das mais antigas tradições académicas em todo o mundo”, pode ler-se em comunicado.

Segundo as estimativas da empresa, cerca de 79% dos estudantes que arrendam casa ou quarto em Coimbra, através da plataforma, são estrangeiros, pagando em média 284 euros por mês. Arrendar nesta cidade custa menos 113 euros que arrendar em Lisboa e seis que no Porto.

“Estamos a reforçar a nossa oferta na cidade de Coimbra para conseguirmos dar resposta à crescente procura por parte de estudantes que vêm estudar para esta cidade”, explicou, no mesmo documento, Inês Amaral, Marketing Manager da empresa. “O nosso objetivo é terminar 2018 com 1500 propriedades em Coimbra, para efetivamente conseguirmos responder à elevada procura dos estudantes.”

Criada em Portugal por Miguel Santo Amaro, Ben Grech e Mariano Kostelec, a Uniplaces acompanha os estudantes nacionais e internacionais na procura de casa, ao mesmo tempo que ajuda os senhorios no arrendamento das suas propriedades. Desde o seu lançamento que esta é das startups portuguesas que mais financiamento conseguiu angariar, totalizando até agora um investimento de praticamente 28 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uniplaces quer mais 400 anúncios em Coimbra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião