Produção de ligeiros mais que duplicou no primeiro trimestre

  • Juliana Nogueira Santos
  • 13 Abril 2018

Saíram das fábricas portuguesas mais 130% de ligeiros de passageiros no último trimestre que no período homólogo. O T-Roc estará na dianteira.

No primeiro trimestre deste ano foram produzidos mais do dobro dos ligeiros de passageiros que no mesmo período do ano passado, um movimento que poderá ser explicado pela montagem da nova gama da Volkswagen na unidade de Palmela, o T-Roc.

Segundo os números registados pela Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP), foram produzidos 59.420 ligeiros de passageiros entre janeiro e março deste ano, o que corresponde a um aumento de 133,9% face ao mesmo período de 2018. Já na categoria de ligeiros de mercadorias, foram produzidas 11.692 unidades, mais 4,8% que no primeiro trimestre do ano passado.

A registar quedas esteve, ainda assim, a produção de veículos pesados. Ao localizar-se nas 1.235 unidades produzidas, este segmento caiu 29,1% face ao trimestre homólogo. Em termos mensais, o fabrico destes veículos também caiu 26,3%.

Quando olhamos para o total da produção automóvel, em março deste ano foram fabricados 23.137 veículos — mais 61,9% que no mesmo mês de 2017 –, sendo que no trimestre saíram das fábricas portuguesas 72.347 veículos, mais 88,9% que no período homólogo.

A ACAP frisa, em comunicado, a importância do setor automóvel para as exportações nacionais, uma vez que “96,5% dos veículos fabricados em Portugal têm como destino mercado externo”.

A Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional – com 95,1% – com a Alemanha (19,8%), França (15,0%), Espanha (11,7%) e Itália (11,5%) no topo do ranking”, escreve a ACAP em comunicado.

Ainda que a associação não destaque, especificamente, o SUV da Volkswagen, a ligação entre Palmela e estes números parece indissociável. A fábrica estará a produzir mais de 800 unidades do modelo T-Roc por dia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção de ligeiros mais que duplicou no primeiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião