Energéticas afundam PSI-20. Nem o BCP o trouxe à tona

  • Juliana Nogueira Santos
  • 16 Abril 2018

O setor energético foi o mais castigado na sessão desta segunda-feira. A EDP Renováveis foi a que mais caiu. Lisboa perdeu perto de 0,5%.

A primeira sessão da semana foi negra para o principal índice bolsista nacional. Com apenas cinco cotadas a fechar a negociação em território positivo, a pressão vendedora que assolou as energéticas levou consigo o PSI-20.

Esta manhã, os analistas do BPI apontavam que a existência de 1.500 milhões de barris de petróleo em território alentejano faria subir as ações da Galp até 1,10 euros. No entanto, os investidores não viram grandes notícias nesta previsão, sendo que as ações da petrolífera nacional caíram 0,79% para 15,71 euros.

A tendência de queda foi comum no setor energético, uma vez que a EDP caiu 0,60% para 3,15 euros, a EDP Renováveis perdeu 1,11% para 8,01 euros e a REN desvalorizou 0,47% para 2,54 euros.

O PSI-20 desvalorizou assim 0,43% para 5.453,97 pontos, ainda que tenha contado com três desempenhos mais fortes. O BCP ganhou 0,39% para 28,11 cêntimos e a retalhista Jerónimo Martins avançou 0,60%. Já os CTT valorizaram 0,46% para 3.03 euros.

Ultrapassado estará já o confronto entre os Estados Unidos e a Rússia. Depois de os Estados Unidos terem atacado a Síria e de o presidente Trump ter declarado no Twitter que o assunto estava encerrado, os mercados internacionais já retomaram ao seu trajeto habitual, ainda que em queda.

“O ataque à Síria por parte dos EUA e dos seus aliados não fez tombar os mercados, nesta segunda-feira, uma vez que Donald Trump deu a entender que o assunto estava encerrado, ‘perfectly executed’ nas suas palavras, levando também o petróleo a corrigir em baixa”, apontou à Reuters a analista Carla Maia Santos da XTB.

Na Europa, o cenário também fechou pintado de vermelho, sendo que o IBEX-35 perdeu 0,01%, o CAC-40 caiu 0,04% e o DAx deslizou 0,41%. Já o petróleo segue a desvalorizar mais de 1,50% nos dois principais pisos de negociação, cotando nos 71,49 dólares em Londres e nos 66,27 em Nova Iorque.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Energéticas afundam PSI-20. Nem o BCP o trouxe à tona

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião