Samsung vai usar Blockchain para cortar custos de distribuição

Coreana Samsung planeia aplicar a Blockchain à sua cadeia de distribuição, o que deverá significar o corte em 20% dos custos associados a estes envios. Tecnologia também permitirá poupar tempo.

Há mais uma entrada na lista de empresas que acreditam no potencial da Blockchain e estão a usá-la para tornar os seus negócios mais eficientes. Desta vez, é a coreana Samsung a apostar nesta tecnologia, aplicando-a à sua cadeia de distribuição.

“[A Blockchain] terá um enorme impacto nas cadeias de distribuição das indústrias manufatureiras”, defende o líder do departamento da Samsung responsável pelo desenvolvimento de aplicações baseadas nesta tecnologia. Song Kwang-woo adianta à Bloomberg que a empresa espera assim cortar em 20% os custos associados aos envios de produtos, em todo o mundo.

A Blockchain resulta da união de bases de dados descentralizadas que criam um índice global de transações, tornando cada um dessas operações totalmente inviolável. Aplicada à cadeia de distribuição da gigante em causa, esta tecnologia deverá manter um registo irrepreensível de todos os carregamentos da marca, cujo valor atinge, todos os anos, dezenas de milhares de milhões de dólares.

A aplicação deste sistema deverá, além disso, resultar na diminuição do fosso temporal entre o lançamento dos produtos da coreana e o seu envio efetivo para os comercializadores. Também no que diz respeito à coordenação burocrática com as autoridades alfandegárias, a Blockchain deverá facilitar o processo, poupando tempo (e consequentemente dinheiro) à empresa.

No início do mês, o Governo português anunciou a criação de uma espécie de moeda digital (à base de Blockchain, como a Bitcoin), sem valor real, que possibilitará a cada cidadão “investir” nas startups mais inovadoras. Depois de autenticado na plataforma, cada português deve reclamar um saldo em tokens (moedas) que poderá distribuir pelos projetos que escolher.

Também o Santander juntou-se à tendência, consagrando-se, na semana passada, no primeiro grande banco a casar a Blockchain com os seus serviços: está a oferecer uma ferramenta de transferências internacionais baseada nesta tecnologia.

No âmbito da recém-criada Aliança Portuguesa de Blockchain, REN, Abreu Advogados e Fidelidade estão também à procura de projetos inovadores, nesta área. As melhores aplicações serão desenvolvidas por estas empresas.

No início do ano, o presidente do Banco Central Europeu elogiou a Blockchain, apelando, contudo, à prudência no que diz respeito às criptomoedas. “É uma tecnologia inovadora que pode melhorar a eficiência”, sublinhou Mario Draghi, avançado que a instituição tem planos para a utilizar no futuro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Samsung vai usar Blockchain para cortar custos de distribuição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião