Costa: “Temos condições para chegar a uma posição comum”

  • Juliana Nogueira Santos
  • 17 Abril 2018

António Costa garantiu esta terça-feira que o acordo que junta o PS e o PSD no âmbito da descentralização e do Portugal 2030 tem pernas para andar.

António Costa garantiu esta terça-feira que o acordo que junta o Governo e o PSD no âmbito da descentralização e do Portugal 2030 tem pernas para andar. O primeiro-ministro valida assim as informações já avançadas ao longo do dia de que as negociações dos dois dossiers estavam concluídas e que será possível assinar, amanhã, em S. Bento os primeiros acordos em temas estruturantes.

“Temos condições para chegar a uma posição sobre os dois assuntos”, afirmou o primeiro-ministro aos jornalistas, referindo-se à descentralização e à negociação das perspetivas financeiras para o pós 2020. “É desejável, possa haver acordo o mais alargado possível sobre temas que são tão estruturantes para a organização do Estado, como é a descentralização”, disse António Costa em declarações transmitidas pela Sic Notícias e pela RTP3.

Para o primeiro-ministro, o futuro de Portugal “deve merecer um acordo o mais alargado possível sobre aquilo que devem ser as traves mestras do desenvolvimento do país entre 2020 e 2030”.

O primeiro-ministro e o presidente do PSD formalizam na quarta-feira, ao final da tarde, os acordos entre Governo e social-democratas, como confirmou ao ECO fonte oficial do partido de Rui Rio. O anúncio também já tinha sido feito por Eduardo Cabrita no Parlamento. “O senhor primeiro-ministro e o presidente do Partido Social Democrata terão oportunidade, amanhã [quarta-feira], de ter uma reunião, da qual esperamos que possa resultar a afirmação de uma convergência para uma reforma que se desenvolverá ao longo de vários anos e que passará por vários mandatos autárquicos e vários mandatos da Assembleia da República”, já tinha afirmado esta terça-feira Eduardo Cabrita.

A hora final da assinatura dos acordos, que terá lugar na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, com a presença de António Costa e de Rui Rio, está ainda por fechar, mas será após o debate quinzenal na Assembleia da República.

(Notícia atualizada às 19h10 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: “Temos condições para chegar a uma posição comum”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião