Do trabalhador do McDonald’s ao CEO vão 21 milhões de dólares em salário

No último ano, o CEO da McDonald's ganhou 3.106 vezes mais do que o colaborador mediano, isto é, aquele que recebeu o valor entre a metade superior e a metade inferior.

A McDonald’s não é apenas uma das gigantes de fast food mais populares do mundo, é também uma das grandes empresas norte-americanas onde o fosso entre os rendimentos do líder executivo e do empregado mediano é maior. O rácio divulgado pela Bloomberg revela que, no último ano, Stephen Easterbrook ganhou 3.106 mais do que o colaborador mediano da multinacional (um trabalho a part-time na Polónia).

CEO da McDonald’s recebeu 21,8 milhões de dólares, no último ano.Pixabay

Em 2017, o CEO da cadeia de restaurantes recebeu 21,8 milhões de dólares (pouco menos de 17,7 milhões de euros) enquanto o colaborador usado como referência neste cálculo auferiu 7.017 dólares (5.685,36 euros).

Esses rendimentos de Easterbrook agrupam não só o seu salário (cerca de 1,3 milhões de dólares ou um milhão de euros), mas também alguns outros prémios e bónus.

Este rácio é conseguido através da divisão da compensação do líder executivo pelo rendimento do empregado mediano (isto é, aquele que recebe o valor que separa a metade superior da metade inferior).

O fosso registado na McDonald’s é significativamente mais grave do que aquele encontrado na maioria das empresas nos Estados Unidos. Segundo um estudo da AFL-CIO, por exemplo, os líderes da companhias agregadas pelo índice S&P 500 recebem 347 vezes mais do que o empregado médio das empresas das quais fazem parte.

Além da McDonalds, entre as empresas nas quais a diferença em causa de destaca figuram a Hanesbrands (focada no fabrico de vestuário), a Six Flags (o maior franchise de parques de diversão do mundo), e a Sketchers (fabricante de calçado). Na primeira, o seu CEO ganha 1.830 vezes mais do que o empregado mediano, na segunda o líder aufere 1.804 mais do que o colaborador usado como referência e na terceira o presidente executivo recebe 1.512 mais do que o trabalhador em causa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Do trabalhador do McDonald’s ao CEO vão 21 milhões de dólares em salário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião