E se o McDonalds deixar de ser fast food?

  • Ana Luísa Alves
  • 8 Dezembro 2016

O McDonalds tem levado a cabo uma série de alterações nos ingredientes e nos serviços que oferece. A mais recente mudança é usar carne fresca em vez da carne congelada nos hambúrgueres.

Em Oklahoma, o McDonalds vai trocar a carne congelada usada nos hambúrgueres por carne fresca. Esta alteração vem no seguimento das transformações levadas a cabo pela cadeia de restaurantes no que toca à comida. A mudança está a ser feita em 75 restaurantes norte-americanos.

É fã do McDonalds? E das mais recentes mudanças que o restaurante tem levado a cabo? Este ano as novidades somam-se: a oferta de um hambúrguer para vegetarianos, outro para os fãs de Nutella, a alteração da receita dos nuggets, e, mais recentemente, do uso da carne fresca em vez da congelada nos hambúrgueres são algumas das alterações. Depois disto, a empresa já anunciou mais uma série de testes, incluindo também uma nova versão do Big Mac — o Grand Mac –, e o pequeno Mac Júnior.

Uma das primeiras alterações que a cadeia de restaurantes levou a cabo foi o McVeggie, um hambúrguer vegetariano que chegou no mês passado e está disponível em Itália, Suíça, Holanda, Alemanha, Áustria e… Portugal. Tem por base quinoa e vegetais e foi feito a pensar, especialmente, nos ovolactovegetarianos (pessoas que comem vegetais, ovos, leite e derivados como alimentos de origem animal).

Para gulosos e fãs de Nutella, o restaurante criou ainda no mês passado o “Sweet com Nutella”, à venda por dois euros. Mas, por enquanto, este produto só está disponível em Itália. A composição tem por base um pão tipo brioche recheado com Nutella.

Velhos produtos, novas receitas

Outra das mudanças foi a introdução de uma nova receita dos Chicken McNuggets em agosto, sem quaisquer corantes artificiais. Na semana passada, a empresa anunciou que ia também trocar o açúcar servido nos bolos por milho rico em frutose, como parte de um projeto para simplificar os seus ingredientes. Mike Andres, presidente da cadeia de restaurantes nos EUA, define esta troca de ingredientes como uma “mudança radical”, que vai ter impacto em 50% do menu do McDonalds.

Além das mudanças nos ingredientes usados, tem sido feitas algumas alterações também nos restaurantes, ao nível do design, que inclui os já existentes self-order kiosks, os menus premium e serviço de mesa.

“Grande parte da excitação expressa pelos operadores tem a ver com a ligação com os Millennials, uma geração cujos membros gastam duas vezes mais dinheiro nos restaurantes do que os baby boomers, nascidos entre 1946 e 1964″, disseram em comunicado, a que a Marketwatch teve acesso.

Na passada semana morreu, aos 98 anos, Michael Delligatti, o criador do Big Mac, um dos mais conhecidos hambúrgueres do McDonalds. Morreu em casa, rodeado de amigos e família. A receita do Big Mac foi inventada há 50 anos, mas talvez o caminho do conhecido restaurante esteja a ser feito no sentido inverso ao da fast food.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

Comentários ({{ total }})

E se o McDonalds deixar de ser fast food?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião