Fed: Economia cresce mas indústria teme tarifas de Trump

  • Juliana Nogueira Santos
  • 18 Abril 2018

Ainda que a economia tenha crescido a um ritmo "modesto a moderado", a Fed fez eco das reservas de muitos em relação às tarifas do aço e do alumínio.

A Reserva Federal norte-americana considera que a economia cresceu a um ritmo “modesto a moderado” no período entre março e o princípio de abril, mas deixou alertas em relação às preocupações de “vários setores”: as tarifas de Trump.

No seu Livro Bege, divulgado mensalmente, a instituição liderada por Jerome Powell afirma que o emprego continuou a sua trajetória de crescimento de “modesto a moderado”, ainda que tivesse sido identificada uma escassez de mão-de-obra, principalmente em áreas como a “engenharia, as tecnologias da informação, os cuidados de saúde, bem como a construção e os transportes”.

A despesa dos contribuintes aumentou em todas as regiões dos EUA, mais expressivamente nos setores do retalho e do turismo. Já os preços também subiram a um “ritmo moderado”, sendo que em alguns sítios “o preço do aço subiu, às vezes de uma forma dramática, devido à nova tarifa”.

É também relativamente às novas tarifas que a Fed deixa um parêntesis. Em março, Donald Trump anunciou que iria impor taxas de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio, bem como a centenas de outros produtos que têm como origem a China. Perante isto, “contactos em vários setores desde a indústria à agricultura e aos transportes expressaram a sua preocupação acerca das tarifas recentemente impostas e/ou propostas“.

Nesta edição do Livro Bege houve ainda espaço para comentar a agricultura, cujas condições se mantiveram inalteradas, ou até degradadas, “em parte devido às condições de seca persistentes.”

Já nas minutas da primeira reunião de política monetária da Reserva Federal sob a batuta de Jerome Powell, divulgadas na semana passada, todos os responsáveis da entidade de política monetária consideraram que a economia norte-americana irá crescer de forma mais acelerada e que a inflação também irá subir nos próximos meses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed: Economia cresce mas indústria teme tarifas de Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião