Paris é a cidade europeia que mais apaixona os investidores no imobiliário

Um estudo da CBRE revela que Paris foi a cidade europeia preferida para investimentos imobiliários. Para este ano, a América do Norte será a estrela deste setor.

O mercado imobiliário continua a dar cartas, e a tendência espalha-se pelos cinco continentes. Analisando o ano passado, Paris foi a estrela da Europa, tendo sido a mais procurada para investimentos neste setor. Para este ano, espera-se que o foco seja o Atlântico, com as oportunidades a estarem localizadas na América do Norte.

Na hora de comprar casa, há certos fatores a ter em conta, nomeadamente a localização. No ano passado, a Europa Ocidental foi bastante procurada pelos investidores deste setor, com 32% das preferências. Relativamente às cidades preferidas, a capital francesa brilhou, ao ter sido a mais escolhida pelos investidores, destronando Londres, “talvez pelas incertezas trazidas pelo Brexit“, lê-se no Global Investor Intentions Survey 2018, da CBRE.

Espanha também se destacou, com Madrid a ocupar a segunda posição deste ranking, à frente de Amesterdão. A estreia do ano passado foi Frankfurt, que entrou diretamente para o quarto lugar deste top 5, em parte devido a um “forte crescimento da economia alemã”. Por último vem Londres, que desceu quatro posições. Relativamente ao Porto ou Lisboa, não estão incluídas informações neste relatório.

Em termos de tipologias de investimento, os imóveis industriais e os escritórios foram os mais procurados pelos investidores, com 32% e 26%, respetivamente. As habitações registaram uma procura de 21%. Para este ano, a CBRE prevê um aumento da procura por residências e escritórios, mas uma diminuição por imóveis industriais.

No que toca a perspetivas, a consultora prevê um aumento do número de transações imobiliárias face ao ano passado, “revertendo a tendência verificada nos últimos anos”. 45% dos investidores inquiridos espera comprar mais ativos imobiliários, enquanto 12% espera comprar menos. Relativamente a vendas, 40% espera vender mais ativos imobiliários, enquanto 12% espera vender menos. Este sentimento de confiança nas transações deve-se, em parte, ao facto de os bancos estarem a conceder créditos mais facilmente, uma consequência da redução das taxas de juro.

A América do Norte será a região mais procurada para realizar investimentos, com 39% das preferências, mas, ainda assim, vai registar um valor abaixo do verificado o ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paris é a cidade europeia que mais apaixona os investidores no imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião