Marcelo espera que Decreto-lei de Execução Orçamental esteja em vigor em maio

  • ECO e Lusa
  • 24 Abril 2018

O Decreto-lei de Execução Orçamental deveria ser publicado até ao fim do mês seguinte ao da entrada em vigor do Orçamento do Estado, ou seja, no final de fevereiro.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta segunda-feira que espera receber em breve para promulgação o Decreto-lei de Execução Orçamental, para que este esteja em vigor em maio.

Em declarações aos jornalistas, à saída de uma cerimónia na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, o Chefe de Estado referiu que este decreto “é muito importante para a aplicação do Orçamento de 2018“.

O Decreto-lei de Execução Orçamental deveria ser publicado até ao fim do mês seguinte ao da entrada em vigor do Orçamento do Estado, ou seja, no final de fevereiro. O documento que define as normas de aplicação do Orçamento estava na agenda do Conselho de Ministros da semana passada, mas o documento não foi aprovado. O ministro das Finanças estava fora do país. O documento regressa à mesa da Gomes Teixeira esta semana e é expectável que venha a ser aprovado.

“Se for aprovado, por exemplo, na quinta-feira, e sendo possível tê-lo promulgado antes do fim do mês, é possível logo a seguir ao feriado do 1.º de Maio ter a aplicação do Decreto-lei de Execução Orçamental”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente sublinhou que o Decreto-lei de Execução Orçamental “tem, em pontos fundamentais, aquilo que é a regulamentação para o Orçamento poder ser cabalmente aplicado”. “Em maio, já teremos, espero bem, se assim for, tudo o que é necessário para a plena aplicação do decreto e do Orçamento”, concluiu.

Perante o atraso na entrada em vigor do Decreto-Lei de execução Orçamental deixa em dúvida quais as regras que estão em vigor para as cativações, se as de 2017, mais elevadas, se as do Orçamento de 2018. Caso, seja a primeira hipótese isso permite ao Executivo cativar mais nestes primeiro quatro meses do ano e assim ter um controlo mais apertado das contas públicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo espera que Decreto-lei de Execução Orçamental esteja em vigor em maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião