Berlim acredita que Trump vai avançar com taxas sobre importações europeias

  • Lusa
  • 26 Abril 2018

Governo alemão acredita que a aplicação pelos EUA das taxas alfandegárias sobre as importações europeias de aço e alumínio deverá acontecer a partir de 1 de maio.

O governo alemão mostrou-se convicto, esta quinta-feira, de que o Presidente norte-americano, Donald Trump, vai impor taxas alfandegárias sobre as importações europeias de aço e alumínio a partir de 1 de maio, terminando assim as atuais isenções.

“A perspetiva de hoje é que as taxas vão chegar no dia 1 de maio”, indicaram fontes governamentais algumas horas antes de a chanceler alemã, Angela Merkel, partir para os Estados Unidos, onde se vai encontrar na sexta-feira, em Washington, com Donald Trump.

O interesse da chanceler, adiantaram, é manter um “amplo diálogo” com os Estados Unidos, mas falta pouco tempo até 1 de maio e, se até essa altura não for possível prolongar as isenções para os países da União Europeia, “terá de ser ver como se resolve” esta questão.

O objetivo da Alemanha, acrescentaram as mesmas fontes, é “continuar a cooperar a nível económico”.

“Estamos convencidos de que o comércio, seja qual for a direção, é uma situação mutuamente benéfica para ambas as partes”, salientaram, recordando que os Estados Unidos e a União Europeia são os dois principais blocos económicos a nível mundial e que estão “muito interligados”.

Quanto à ameaça de Trump de introduzir novos impostos no setor automóvel por considerar que os Estados Unidos estão em situação de desvantagem face à Alemanha, sublinharam que as tarifas mútuas que são atualmente aplicadas são “equilibradas” e poderão ser renegociadas, como já propôs Merkel.

“Mas nesse caso teremos de falar de taxas em todos os setores, não só a nível de veículos”, referiram, destacando que a imposição de “taxas individuais”, por exemplo, por países, “seria muito insólito”.

O encontro entre Merkel e Trump será o segundo dos dois chefes de Estado em Washington, pouco mais de um ano após a primeira reunião na Casa Branca.

Merkel e Trump tiveram outra reunião bilateral em julho do ano passado em Hamburgo (Alemanha), na véspera da cimeira do G20 (grupo de países desenvolvidos e emergentes).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Berlim acredita que Trump vai avançar com taxas sobre importações europeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião