Volkswagen alia-se à Uber chinesa. O objetivo é desenvolver carros autónomos

A marca alemã vai unir-se à Didi, a Uber chinesa, numa tentativa de contornar a redução do número de carros particulares em cidades como Pequim e Xangai.

A alemã Volkswagen aliou-se à Didi Chuxing, a Uber chinesa, considerada a maior plataforma de transporte individual do mundo. Esta parceria vai ser benéfica para ambas as empresas, uma vez que vão ser trocados automóveis por carteira de clientes, escreve a Reuters (conteúdo em inglês).

O acordo, que deverá ser assinado no início de maio, adiantaram fontes próximas da operação à Reuters, vai envolver o fornecimento de cerca de 100.000 veículos por parte da Volkswagen, enquanto a Didi Chuxing vai contribuir com a atual carteira de clientes que detém. A ideia será a criação de uma sociedade e, mais tarde, talvez o desenvolvimento de veículos autónomos.

O crescente aumento deste tipo de serviço de transporte em cidades como Pequim e Xangai está a reduzir o número de carros particulares. De forma a contornar este problema para os fabricantes de automóveis, várias empresas do setor estão a tentar estas parcerias para reinventar os negócios.

Citada pela Reuters, uma fonte da Volkswagen adiantou: “Para ter sucesso como empresa automóvel neste novo ecossistema, precisamos de saber quem são os nossos clientes e qual deve ser a nossa estratégia”.

Na semana passada, a Didi Chuxing anunciou parcerias com 31 fabricantes de automóveis, entre eles a Toyota e a Renault-Nissan-Mitsubishi, numa tentativa de desenvolvimento de veículos elétricos direcionados para o mercado chinês.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Volkswagen alia-se à Uber chinesa. O objetivo é desenvolver carros autónomos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião