Protecionismo é ameaça à economia, mas Bruxelas mantém previsões

  • Lusa
  • 3 Maio 2018

A Comissão Europeia manteve a previsão de que a União Europeia e a Zona Euro vão crescer ambas 2,3% este ano e 2% no próximo. Mas alerta que a maior exposição a "fatores de risco externos".

A Comissão Europeia prevê que a economia europeia mantenha um ritmo forte de crescimento este ano, ainda que ligeiramente inferior ao máximo de dez anos registado em 2017, mas adverte para os riscos associados a um aumento do protecionismo.

Nas Previsões Económicas da Primavera, divulgadas esta quinta-feira em Bruxelas, o executivo comunitário lembra que a taxa de crescimento da União Europeia e da zona euro no ano passado “ultrapassou as expectativas”, ao atingir os 2,4% em ambos os casos, o nível mais elevado dos últimos dez anos, e este ano deverá conhecer uma desaceleração muito ligeira, fixando-se nos 2,3%, tanto no conjunto dos 28 Estados-membros como no espaço da moeda única, recuando para os 2% em 2019.

Bruxelas destaca que “o consumo privado permanece dinâmico, enquanto as exportações e os investimentos se intensificaram”, ao mesmo tempo que “o desemprego continua a cair e encontra-se agora próximos dos níveis anteriores à crise”, mas ressalva que a economia europeia está “mais exposta a fatores de risco externos, que se agudizaram e tornaram-se mais negativos” e alerta que, em concreto, as disputas comerciais na cena mundial e as políticas protecionistas podem travar a expansão em curso na Europa.

Admitindo que os riscos associados a estas “previsões da primavera” são agora de uma revisão em baixa, a Comissão Europeia considera que “as tensões em curso no comércio” apresentam “um risco inegavelmente negativo para a economia global” e para a zona euro em particular, sobretudo para os Estados-membros com uma dívida (pública ou privada) elevada, dadas as implicações que podem ter nos mercados.

Segundo Bruxelas, “por força da sua abertura, a Zona Euro estaria particularmente vulnerável” se os riscos negativos se materializarem, e, “ainda que o aumento das tarifas (sobre o aço e alumínio) decididas até agora pela administração norte-americana e as medidas de retaliação da China devam ter um impacto apenas marginal nas perspetivas económicas globais, uma contínua escalada seria mais prejudicial e poderia levar também a uma perda de confiança no sistema comercial multilateral global ou a mais nas cadeias de abastecimento mundiais”.

Numa primeira análise às previsões desta quinta-feira, o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, comentou que “a Europa continua a beneficiar de um crescimento robusto” e, efetivamente, “o risco maior que pesa sobre as perspetivas otimistas é o protecionismo, que não pode tornar-se a ‘nova normalidade’”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Protecionismo é ameaça à economia, mas Bruxelas mantém previsões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião