44% não conseguem pagar uma semana de férias fora de casa

Mais de 40% da população não tinha capacidade para pagar uma semana de férias fora de casa em 2017. Este é um dos indicadores usados pelo INE para avaliar do que os portugueses se privam.

Em dois anos, reduziu-se o número de portugueses que diz não ter como pagar uma semana de férias por ano fora de casa. No entanto, em 2017, eram ainda 44,3% os portugueses que apontam esta privação quando o Instituto Nacional de Estatística (INE) faz o Inquérito às Condições de Vida e Rendimento.

No dados divulgados esta segunda-feira pelo INE é possível ver que apesar de a percentagem de portugueses que indicam ter esta restrição ser elevada, ela desceu de forma significativa face ao que se passava em 2015. Nesse ano, mais de metade (51,3%) respondia que não tinha como suportar esta despesa.

Quando faz este inquérito, o INE define como incapacidade para pagar uma semana de férias fora de casa a indisponibilidade para suportar despesas de alojamento e viagem para todos os membros do agregado familiar.

Esta é uma das perguntas que o INE faz para avaliar a privação material severa das famílias portuguesas. A taxa de privação material recuou de 8,4% para 6,9%, entre 2016 e 2017. Este tipo de privação acontece quando se verificam pelo menos quatro de um conjunto de nove dificuldades, entre elas a capacidade de pagar férias.

Também a taxa de privação geral (que não a severa) baixou de 19,5% para 18%, entre 2016 e 2017. Os dados do INE hoje conhecidos não têm ainda informação para 2017 sobre a taxa de pobreza, mas têm dados sobre o risco de pobreza e exclusão para esse ano. No ano passado, quase 2,4 milhões de pessoas estavam em risco de pobreza ou exclusão social, o que corresponde a 23,3% da população. No ano anterior, este grupo representava mais de um quarto (25,1%), o que significa que entre 2016 e 2017 são menos 196 mil as pessoas que estão em risco de pobreza ou exclusão social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

44% não conseguem pagar uma semana de férias fora de casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião