Futuro dos CTT não passa por despedimentos ou abandono de território, diz Francisco de Lacerda

  • Lusa
  • 8 Maio 2018

"Temos que preparar os CTT para o futuro", afirmou esta terça-feira o presidente dos CTT, apontando depois para uma "estratégia de transformação, qualidade, eficiência e sustentabilidade".

O presidente da Comissão Executiva dos CTT – Correios de Portugal, Francisco de Lacerda, disse hoje que o futuro da empresa não passa por despedir trabalhadores ou abandonar território, mas sim por se consolidar.

Francisco de Lacerda falava, via áudio conferência entre Lisboa e o Funchal, na Comissão Especializada Permanente de Economia, Finanças e Turismo no âmbito de uma audição parlamentar regional, requerida pelo PCP, sobre a “Degradação do serviço prestado pelos CTT no cumprimento do serviço público postal, decorrente da extinção de postos de trabalho e do encerramento de Estações dos CTT”.

“Temos que preparar o CTT para o futuro, isso não significa degradação da qualidade do serviço postal universal, não significa abandonar o território, não significa despedir trabalhadores, significa sim assegurar o futuro do CTT com base numa estratégia de transformação, qualidade, eficiência e sustentabilidade, apostando nas alavancas de crescimento”, nomeadamente a atividade expresso, encomendas e serviços financeiros através do Banco CTT, disse aos deputados.

Francisco de Lacerda considerou de “muito boa” a densidade e o nível de penetração do serviço postal universal na Madeira através de uma rede de atendimento composta por 19 lojas e 35 postos de correio apesar de reconhecer a diminuição “muito significativa” de clientes na região, que “caiu 27,5%” nos últimos seis anos.

Segundo o presidente da empresa, o número de operações de serviço postal universal entre 2013 e 2015 registou um decréscimo de menos dois milhões de operações e a rede de atendimento conheceu menos 128.000 visitas.

“Os CTT desejam continuar a prestar o serviço postal universal às populações, mantendo sempre a proximidade às mesmas”, concluiu.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Futuro dos CTT não passa por despedimentos ou abandono de território, diz Francisco de Lacerda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião