Uber autónomo viu vítima antes de a atropelar… mas ignorou

Falha no programa do automóvel que decide que tipo de reação ter perante obstáculos terá estado na origem do acidente fatal. Uber autónomo viu a pedestre, mas decidiu ignorá-la, causando a sua morte.

Afinal, o veículo autónomo da Uber que atropelou fatalmente uma mulher, em março, reconheceu a presença da pedestre antes do choque, mas decidiu ignorá-la. O acidente parece ter sido provocado por um erro no software responsável pela decisão da reação aos obstáculos detetados, avançam duas fontes da empresa citada pelo The Information.

De acordo com a investigação levada a cabo pela própria Uber, ainda que os sensores do automóvel tenham registado a presença de uma pedestre a atravessar a passadeira, o carro decidiu continuar o seu caminho sem sequer recorrer aos travões.

Recorde-se que, no momento do acidente, o carro autónomo estava a ser testado nas ruas do Arizona, nos Estados Unidos, e tinha ao volante um operador de segurança, que não conseguiu reagir a tempo.

“Não podemos comentar o incidente”, respondeu, entretanto, à Reuters, neste âmbito, a multinacional, referindo que o caso está sob investigação do Conselho Nacional de Segurança dos Transportes.

Na ocasião do acidente, a Uber viu-se forçada a suspender todos os testes com carros autónomos e garante agora que está a rever os procedimentos de segurança desse processo. Ainda assim, no mês passado, Dara Khosrowshahi, líder executivo da companhia, disse que acredita no potencial do transporte autónomo. “Quando atingir a maturidade, deverá ser mais seguro”, sublinhou.

Esta não é a primeira vez que os testes com carros autónomos não correm de acordo com o esperado. No caso dos automóveis deste género da marca Tesla, algumas colisões já levaram à morte dos condutores envolvidos. Quanto à Uber, à data, apenas tinham sido registados incidentes menores (colisões sem fatalidades).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber autónomo viu vítima antes de a atropelar… mas ignorou

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião