A app mais popular do iPhone já não é o WhatsApp

Whatsapp foi destronado pela chinesa Douyin, no ranking das aplicações mais populares no sistema iOS. Mais de 45 milhões de utilizadores descarregaram esta ferramenta de fazer "selfies musicais".

O WhatsApp acaba de perder o lugar mais alto do pódio das aplicações mais populares no sistema iOS para a chinesa Douyin (ou Tik Tok, como é conhecida fora da nação sínica). Nos primeiros três meses de 2018, mais de 45 milhões de utilizadores dos produtos Apple descarregaram esta aplicação, que permite gravar, ilustrar e partilhar “selfies musicais” de 15 segundos, colocando-a, assim, à frente do serviço de trocas de mensagem encriptadas detido pelo Facebook, nesta lista.

De acordo com o relatório da norte-americana Sense Tower, a aplicação criada em Pequim dominou o mercado asiático, o que acabou por lhe trazer a liderança global, no que diz respeito aos utilizadores dos produtos da companhia liderada por Tim Cook.

A Douyin foi criada em 2016 pela Bythedance, unicórnio mais conhecido pelo seu agregador de notícias baseado em inteligência artificial, o Toutiao.

Se juntarmos os dados da Google Play (loja de aplicações do sistema Android), o WhatsApp (em conjunto com o Instagram e o Messenger) mantém-se à frente da chinesa, que acaba por ocupar o sexto lugar nessa lista das apps mais populares. É, no entanto, importante referir que o uso da Google Play foi banido na China.

De acordo com o mesmo relatório, no primeiro trimestre do ano, registaram-se, no total, mais de 25,5 mil milhões de downloads em todo o mundo, o que representa um crescimento de 7,6%. Em termos de receitas, foi o Netflix a conquistar a coroa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A app mais popular do iPhone já não é o WhatsApp

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião