CTT vendem prédio em Lisboa por 10,3 milhões de euros

A empresa de correios assinou um contrato-promessa de compra e venda de um imóvel na Rua da Palma, em Lisboa. Venda vai gerar mais-valia de 8,5 milhões de euros.

Os CTT assinaram um contrato-promessa de compra e venda de um imóvel na Rua da Palma, no Martim Moniz em Lisboa. O negócio está avaliado em 10,3 milhões de euros, sendo que a mais-valia para a empresa liderada por Francisco de Lacerda é de 8,5 milhões de euros.

Em comunicado enviado à CMVM, os CTT revelam que, “nos termos deste contrato, o preço global devido pela venda do imóvel corresponde a 10,3 milhões de euros (o que representará uma mais-valia contabilística antes de impostos de cerca de 8,5 milhões de euros, com um impacto fiscal de cerca de 1,1 milhões)”, nota a empresa de correios.

“Nesta data os CTT receberam a quantia de um milhão de euros título de sinal, devendo o remanescente ser pago aquando da outorga da escritura pública de venda definitiva, a qual deverá ter lugar no prazo máximo de seis meses a contar desta data, encontrando-se apenas condicionada ao não exercício de direito de preferência na venda destes imóveis pelas autoridades administrativas que legalmente beneficiam de tal direito”, acrescenta.

Os CTT têm em marcha um plano de reestruturação para fazer face à quebra da atividade, que ditou uma forte quebra nos lucros do ano passado. Além do encerramento de balcões, bem como do despedimento de funcionários, a empresa está a vender ativos. Esta operação está “em linha com a sua política de alienação de ativos não estratégicos quando estejam reunidas as necessárias condições de mercado”, remata.

Recorde-se que, no final do ano passado, os CTT anunciaram a conclusão do negócio de venda da antiga sede da empresa, em Lisboa, por um valor de 25 milhões de euros. O contrato de promessa de compra e venda foi celebrado a 15 de dezembro do ano passado, sendo que esta venda representará uma mais-valia de 16 milhões de euros para a empresa.

Mais recentemente, o Banco CTT saiu do edifício Adamastor, no Parque das Nações, em Lisboa. O ECO apurou que a sede do banco postal foi transferida para o edifício onde o próprio grupo CTT está sediado, poucos metros ao lado, numa medida que deverá permitir uma poupança anual de 800 mil euros com rendas.

(Notícia atualizada às 16h56 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CTT vendem prédio em Lisboa por 10,3 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião