CTT vão entregar compras de lojas britânicas que não enviam para Portugal

Serviço Express2Me dos CTT vai chegar a 200 mil lojas britânicas, isto é, a partir de agora vai poder receber encomendas em Portugal destas lojas que não enviam para moradas nacionais.

A partir de agora, vai poder receber em casa as compras que fez em lojas online britânicas que não disponibilizam entregas em Portugal. Como? Os CTT acabam de alargar o serviço Express2Me a 200 mil lojas digitais do Reino Unido, permitindo a entrega de produtos de marcas que não oferecem distribuição em território lusitano.

“O alargamento do serviço Express2Me para o Reino Unido permite apostar num mercado onde o comércio eletrónico é muito relevante e mais tem crescido”, explica, em comunicado, o diretor de e-commerce dos Correios de Portugal. De acordo com Alberto Pimenta, o comércio eletrónico é mesmo uma das principais apostas da empresa para “alavancar o seu crescimento”.

Os interessados têm apenas de criar uma conta no portal dos CTT. Ao fazer o registo, o utilizador recebe uma morada internacional que deverá ser indicada nas lojas online, nas quais pretende usar o serviço. Depois a encomenda é enviada para um entreposto dos CTT no Reino Unido e, uma vez chegada aí, o cliente é notificado para efetuar o pagamento do envio para Portugal. Do armazém britânico à morada portuguesa, o envio demora entre três e cinco dias úteis.

“O comércio eletrónico é um dos eixos estratégicos de desenvolvimento”, disse ao ECO fonte oficial da empresa, no início do mês. Segundo a companhia, o negócio de expresso e encomendas é o seu “principal motor de crescimento”.

No ano passado, o serviço Express2Me chegou aos Estados Unidos, tendo permitido o acesso a mais de meio milhão de lojas online norte-americanas que até então estavam “vedadas” aos portugueses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT vão entregar compras de lojas britânicas que não enviam para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião