Trambolhão do BCP é o Euromilhões destes investidores

Houve quem tivesse lucrado com a desgraça do banco nestas últimas cinco sessões. Estratégias de short selling renderam 25 milhões de euros a quatro investidores internacionais.

O BCP deixou muitos investidores à beira de um ataque de nervos nas últimas cinco sessões, mas houve quem ganhasse o Euromilhões com o tombo das ações do banco português.

Em cinco dias, o valor de mercado do BCP emagreceu 650 milhões de euros por causa da instabilidade política em Espanha e Itália. Isto refletiu uma desvalorização de 15,3% dos títulos desde o fecho da sessão do dia 22 de maio até à sessão desta terça-feira, dia em que afundou mais de 8% para o valor mais baixo desde setembro.

Mas houve quem tivesse lucrado com a desgraça alheia. Quem investiu na queda das ações do BCP tirou um bom prémio pela ousadia. Foi o caso destes quatro investidores: BlackRock, Lansdowne, Marshall Wace e Oceanwood Capital.

Os interesses a descoberto destes fundos internacionais representam 3,79% do capital do banco, o valor mais elevado em quase dois meses, de acordo com as posições curtas relevantes declaradas à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Feitas as contas, embora a ação tivesse perdido valor desde o dia 22, os quatro investidores ganharam 25 milhões de euros com o chamado short-selling, isto considerando apenas os 28,25 cêntimos a que as ações estavam antes do trambolhão e os 23,92 cêntimos a que encerraram a última sessão.

A Marshal Wace registou o maior ganho, isto porque é o fundo que tem a maior posição a descoberto sobre o BCP: tem uma aposta na queda representativa de 1,2% do capital do banco. Logo atrás vem a Oceanwood com 1,03% e a Lansdowne com 0,86%. A BlackRock tem apenas 0,7% do capital a descoberto.

Esta é uma estratégia de risco em que se aposta na desvalorização das ações: o investidor pede as ações emprestadas a um preço (imaginemos dois euros), vende-as no mercado (por dois euros) e espera que desvalorizem para voltar a recomprar títulos a um preço mais baixo (compra a um euro). Devolve as ações emprestadas e realiza uma mais-valia (neste caso, o lucro foi de um euro por ação).

Ações do BCP afundaram. Estão em mínimos de setembro

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trambolhão do BCP é o Euromilhões destes investidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião