BCP puxa por Lisboa. Espanha e Itália sobem 1%

  • Juliana Nogueira Santos
  • 4 Junho 2018

O principal índice bolsista nacional ganha quase 1%, beneficiando da recuperação das ações do BCP. É a quarta sessão consecutiva de ganhos do banco.

Sexta-feira foi dia de mudanças profundas na política europeia, com os Governos de Itália e Espanha a serem o centro das atenções. No início desta nova semana, a reação dos investidores está a ser positiva, puxando pelas bolsas de Milão e de Madrid. Em Lisboa, o principal índice bolsista abriu em alta, impulsionado pela recuperação do BCP.

“Depois das pressões da semana passada, os investidores parecem antecipar que o novo Governo Italiano, formado por dois partidos antissistema, não irá nos primeiros tempos adotar medidas que suscitem objeções em Bruxelas”, escrevem os analistas do BPI no seu comentário de abertura. “Assim, os investidores esperam a implementação de medidas mais populares, como um uso mais fácil dos bens confiscados à máfia.”

Na Europa, a bolsa italiana avança 1,1%, enquanto a espanhola valoriza 0,8%, no dia em que Sánchez inicia a primeira semana como líder do executivo, depois da queda de Rajoy. Lisboa acompanha a tendência, com o PSI-20 a arrancar a sessão com ganhos de 1,05%, cotando nos 5.577,44 pontos.

A puxar pelo índice estão as ações do BCP, que avançam 2,88% para 27,10 cêntimos. É já o quarto dia consecutivo de ganhos, depois de as ações terem atingido mínimos de setembro de 2017.

Em destaque seguem também as ações da EDP que, no meio de uma oferta pública de aquisição (OPA) por parte dos acionistas chineses, valorizam 1,43% para 3,41 euros, 15 cêntimos acima da contrapartida oferecida pela China Three Gorges.

Incluída no pacote em que os chineses estão interessados, a EDP Renováveis também dá ares da sua graça, ao ganhar 1,01% para 8,03 euros, 70 cêntimos acima do valor proposto. Ainda no setor da energia, a Galp Energia ganha 0,78% para 16,08 euros e a REN avança 0,34%.

São apenas três as cotadas que não registam ganhos esta segunda-feira, sendo que a Ibersol e a F. Ramada seguem inalteradas, cotando nos 10,95 e 10 euros, respetivamente. Já em terreno de perdas estão os CTT, perdendo 0,21% para 2,84 euros.

(Notícia atualizada pela última vez às 8h27)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP puxa por Lisboa. Espanha e Itália sobem 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião