Carlos Tavares contrata americanos para ajudar a transformar o Montepio

Americanos da Bain & Company vieram a Lisboa para ajudar Carlos Tavares a operar uma transformação da Caixa Económica Montepio em seis meses.

Carlos Tavares é simultaneamente CEO e chairman do Montepio.

Uma equipa da consultora norte-americana Bain & Company está a trabalhar com o conselho de administração da Caixa Económica Montepio Geral na elaboração do plano de transformação do banco, previsto para ser apresentado em setembro, apurou o ECO.

Foram estes os consultores externos contratados por Carlos Tavares para o ajudar a fazer um “diagnóstico profundo” do banco, num trabalho a ser desenvolvido até final do verão e do qual resultará um plano de transformação que visará produzir “resultados num espaço de três a quatro anos”, segundo a mensagem enviada aos trabalhadores no início do mês passado.

Quem é a Bain & Company? Uma empresa fundada em 1973, com sede em Boston e, apesar de estar presente em 36 países, não tem escritório em Lisboa. Foi criada pelos mesmos fundadores da Bain Capital, o fundo de private equity que comprou uma carteira de crédito malparado de 476 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos em julho do ano passado. Porém, apesar de terem feito parte do mesmo grupo numa fase inicial, há 30 anos que as duas companhias optaram por seguir rumos diferentes e hoje em dia estão 100% separadas.

Oficialmente, a Caixa Económica Montepio não comenta a contratação da Bain & Company. Mas o ECO sabe que a larga experiência que vai além do setor financeiro e a abordagem rápida da consultora foram critérios importantes para a escolha de Carlos Tavares, que acumula as funções de presidente executivo e de presidente do conselho de administração a título provisório até… setembro. Nessa altura, por obrigação do Banco de Portugal, terá de decidir se continuará como CEO ou como chairman da instituição — cargo para o qual foi inicialmente apontado.

Está em vista “uma profunda reestruturação” de todo o grupo Caixa Económica Montepio Geral, banco e participadas. Tavares disse aos trabalhadores que não vai fazer tábua rasa do que foi feito no passado, mas pretende “acelerar de forma substancial o processo de adaptação às novas realidades e desafios do setor. Quer “eliminar redundâncias e silos organizativos” e deseja tornar a instituição financeira num banco vocacionado para a economia social e para as PME.

Este reset parcial deu um primeiro passo quando Tavares fez uma revisão em baixa às contas anuais (não auditadas) apresentadas pelo seu antecessor, José Félix Morgado: em vez de lucros de 30,1 milhões, afinal a Caixa Económica Montepio obteve um resultado líquido de 6,4 milhões, após o reforço de imparidades para “limpeza” créditos complicados.

Ao mesmo tempo que decorrem estes trabalhos, com vista ao “caminho de mudança e reforma” que o banco precisa “criticamente de percorrer”, conforme Tavares preconizou quando tomou posse a 21 de março, banco e associação mutualista criaram um grupo de trabalho conjunto que está a avaliar toda a oferta de produtos mutualistas comercializados pela caixa económica para responder às exigências imediatas do Banco de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Como o ECO avançou em primeira mão, o produto financeiro Capital Certo, cuja venda aos balcões se encontra suspensa, vai passar a designar-se Poupança Mutualista, numa reformulação que vai incluir ainda a informação que é prestada aos clientes na comercialização desta aplicação. Hoje são dez páginas, com muita informação, tão detalhada que se torna de difícil compreensão. Carlos Tavares quer reduzir as dez páginas a apenas três, uma com a identificação da Associação Mutualista, outra com as características do produto e, finalmente, uma última com indicadores financeiros da própria associação.

Outra das alterações poderá passar pelo nome da própria instituição. Carlos Tavares admite a possibilidade de a Caixa Económica Montepio Geral mudar de nome, mas quer manter a marca Montepio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Tavares contrata americanos para ajudar a transformar o Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião