BE exige fim de cativações no regulador da Saúde

  • Lusa
  • 6 Junho 2018

Bloco de Esquerda exigiu, esta quarta-feira, que não se apliquem cativações no orçamento da Entidade Reguladora da Saúde e sugeriu o reforço do seu orçamento em 1,5 milhões de euros.

O Bloco de Esquerda propõe um reforço do orçamento da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) em 1,5 milhões de euros e exige que não se apliquem cativações no orçamento deste regulador.

Um projeto de resolução do Bloco de Esquerda, que foi discutido, esta quarta-feira, nas comissões parlamentares de Saúde e de Finanças, defende que um reforço de 1,5 milhões de euros permitiria ao regulador da Saúde contratar mais trabalhadores e reforçar a capacidade de inspeção e de análise de queixas e reclamações.

O Bloco recorda que a presidente da ERS afirmou no parlamento recentemente que 23% do orçamento da entidade em 2017 foi cativado e que as cativações este ano se situam por enquanto nos 9%. Para o partido, estas cativações na saúde são “incompreensíveis”.

“Estas cativações causaram e causam inúmeros problemas e constrangimentos ao desenvolvimento da atividade regulador da ERS. Por exemplo, no ano passado os salários dos trabalhadores estiveram em risco”, indica o BE no projeto de resolução hoje em análise.

O deputado Moisés Ferreira lembrou que a ERS é uma entidade com autonomia financeira e com receitas próprias, mas que tem “verbas excessivamente cativadas” e que precisa de funcionários que não pode contratar.

Em abril de 2017, o regulador pediu autorização para contratar 27 trabalhadores, mas essa autorização só chegou seis meses depois, o que “prejudicou o plano de atividades” da entidade.

Além de continuar a aplicar cativações este ano, o Bloco refere que o Governo não permitiu o aumento proposto de orçamento para a ERS, aprovando um orçamento de 1,5 milhões de euros, inferior ao pedido pela entidade.

Isto impediu a contratação de 30 novos trabalhadores durante este ano e o BE entende que “terá impactos negativos na atividade” do regulador, como na análise de recomendações e atividade inspetiva.

No debate do projeto do Bloco, a deputada do PSD Ana Oliveira considerou que as cativações põem em causa o bom funcionamento do regulador.

Para o PSD, o Governo “está a cegar a ERS”, com a “política cega de cortes”, considerando que está a ser feito um ataque à regulação, o que foi contestado pelos deputados do PS.

Também o CDS considerou que “há falta de transparência em matéria de cativações”, com a deputada Ana Rita Bessa a lembrar que foi traçado pela presidente da ERS um “quadro negro” do orçamento da instituição.

O PCP recorda, contudo, que as cativações têm sido usadas por sucessivos governos e entende que este instrumento de gestão é um recurso para “a redução acelerada do défice” e que “tem impedido um normal funcionamento dos serviços”.

No mês passado, a presidente da ERS, Sofia Nogueira da Silva, revelou no parlamento que forma realizadas no ano passado 650 fiscalizações, mais 40% do que no ano anterior, mas ainda assim “em número insuficiente” perante os 27 mil regulados.

Este ano, a ERS estima receber 110 mil reclamações de utentes, projeção baseada nos 36.600 processos que entraram até final de abril.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE exige fim de cativações no regulador da Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião