Marcelo espera “bom senso” dos partidos nas negociações do Orçamento do Estado

  • Lusa
  • 9 Junho 2018

O Presidente da República disse este sábado que o país não deve temer uma crise política porque sabe que os partidos vão ter "bom senso" nas negociações do Orçamento do Estado.

O Presidente da República considerou este sábado que haverá “bom senso” entre os partidos na Assembleia da República para não criar uma crise política, numa altura em que a União Europeia vive um momento difícil.

“Todos sabem como este momento europeu é um momento difícil, que obriga a decisões difíceis, que são complicadas para todos, também para Portugal. Ninguém quer juntar às complicações que vêm de fora complicações de dentro. Esse bom senso faz com que não haja a temer qualquer tipo de crise ou qualquer tipo de problema com o Orçamento de Estado” de 2019, adiantou.

Marcelo Rebelo de Sousa falava à margem das comemorações do 10 de Junho, em Ponta Delgada, em resposta a uma questão sobre a possibilidade de a aprovação do último Orçamento de Estado desta legislatura estar em risco, face a declarações recentes dos líderes do BE e do PCP, que dão apoio parlamentar ao Governo minoritário do PS.

O Presidente da República desvalorizou também o facto de os líderes da oposição não marcarem presença nas comemorações do 10 de Junho, que este ano decorrem entre Ponta Delgada, nos Açores, Boston e Providence, nos Estados Unidos.

“O senhor primeiro-ministro está comigo fisicamente, líderes como o líder do PSD e a líder do CDS estão espiritualmente, porque — e muito bem — com o meu conhecimento e a minha concordância viajaram para junto de comunidades portugueses da Guiné Bissau e de Timor-Leste, respetivamente. Os líderes do PCP e do BE estão em território físico de Portugal, naturalmente vibrando, não diretamente com as comunidades, mas com os portugueses que se encontram neste território físico”, salientou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo espera “bom senso” dos partidos nas negociações do Orçamento do Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião