Trump ameaça parar exportações para países com direitos aduaneiros

Donald Trump ameaçou este sábado travar as exportações para países que mantenham direitos aduaneiros sobre produtos com origem nos Estados Unidos.

Este sábado, Donald Trump ameaçou parar as exportações dos Estados Unidos, especialmente no setor agrícola, para países que mantêm a aplicação de direitos aduaneiros a produtos norte-americanos, como retaliação pelas medidas comerciais unilaterais dos EUA.

Na cimeira do G7, em Charlevoix, na província canadiana do Québeque, o Presidente dos Estados Unidos referiu que “é muito injusto” para os agricultores norte-americanos que outros países, como o Canadá e a Índia, imponham elevadas tarifas aos produtos dos EUA. Intransigente na defesa dos interesses comerciais norte-americanos, Trump afirmou que acabaram os dias em que outros países se aproveitaram comercialmente dos Estados Unidos.

O Presidente norte-americano vincou que os Estados Unidos farão “o que seja necessário” para que tenham relações comerciais “justas” com outros países.

A imposição de taxas aduaneiras às importações dos Estados Unidos de aço e alumínio da União Europeia, Canadá e México está a esgotar a paciência dos restantes membros do grupo dos sete países mais industrializados do mundo e dominou a cimeira do G7. Na quinta-feira, o Presidente da França, Emmanuel Macron, convocou uma reunião com os chefes de Governo da Alemanha, Itália e Reino Unido e com responsáveis da União Europeia — o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk — para analisar a questão.

G7 vai debater alterações climáticas… já sem Donald Trump

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deverá abandonar mais cedo a cimeira de líderes do G7, pelo que não irá participar nas reuniões onde irão ser abordados temas como as alterações climáticas e o aquecimento global, ou a saúde dos oceanos. A notícia foi avançada pela Reuters.

A agência fala em “fraturas”, com os países representados na cimeira a evidenciarem divisões não só nas questões ambientais como no dossiê do comércio internacional. O encontro, que decorre no Canadá, está a ser marcado pelos receios de uma guerra comercial entre aliados, que foi iniciada pela decisão de Trump de impor tarifas que deverão prejudicar a União Europeia, o Canada e o México. Tarifas essas que têm merecido retaliação.

O líder norte-americano “incendiou” o G7 antes mesmo do início do encontro, ao publicar uma série de tweets sobre questões comerciais que considera injustas para com os Estados Unidos, além de ter sugerido, de forma inesperada, que a Rússia deveria ser readmitida no grupo. Agora, as mais recentes informações indicam que Donald Trump deverá mesmo deixar a cimeira quatro horas mais cedo do que o previsto no início, perdendo assim a oportunidade de participar nas discussões acerca das questões ambientais.

Donald Trump deverá depois voar para Singapura, onde se aguarda um encontro histórico com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. O encontro poderá marcar um aliviar das tensões geopolíticas entre os dois países, numa altura em que os Estados Unidos pressionam aquele país para que acabe com as suas ambições de ter armamento nuclear.

(Notícia atualizada às 16h33 com as exigências comerciais de Donald Trump perante os países com direitos aduaneiros)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump ameaça parar exportações para países com direitos aduaneiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião