Ataque na Coreia do Sul arrasa moedas virtuais. Bitcoin já perde metade do valor desde o início do ano

  • ECO
  • 11 Junho 2018

A Bitcoin afundou mais de 11%, no rescaldo de um ciberataque a uma bolsa sul-coreana. Juntamente com as investigações de manipulação dos preços, as moedas virtuais estão a perder milhares de milhões.

A Bitcoin afundou, sendo a face mais visível das fortes quedas registadas na generalidade das moedas virtuais no seguimento de um ciberataque a uma plataforma de negociação na Coreia do Sul. Juntamente com as investigações por eventual manipulação do mercado, as criptomoedas acumulam perdas de milhares de milhões de dólares nas últimas semanas.

A Coinrail foi alvo de uma “intrusão cibernética”. O anúncio foi feito pela própria bolsa dedicada a negociação destas moedas virtuais, levando à queda do valor de muitas delas. Os hackers terão conseguido roubar 30% de todas as moedas transacionadas neste mercado. A Coinrail não especifica, mas poderão ter sido perdidos cerca de 30 milhões de euros em criptomoedas.

No rescaldo deste ataque, as moedas virtuais deslizaram. A Bitcoin, a mais conhecida de todas, chegou a perder um máximo de 11,5% para cotar nos 6.627 dólares, elevando assim a queda acumulada no ano para mais de 50%. Cada Bitcoin já chegou a valer mais de 19 mil dólares.

A desvalorização das moedas acentuou-se com este ataque, mas é uma tendência que se arrasta já há algumas semanas, depois de ter sido revelado que as autoridades norte-americanas abriram uma investigação criminal para apurar indícios de manipulação do mercado das moedas virtuais, nomeadamente a Bitcoin.

Perante todos estes episódios, a Bitcoin afunda, mas também a Ripple e a Ethereum, bem como as várias dezenas de divisas entretanto criadas. Quedas que, no global, já eliminaram mais de 40 mil milhões de dólares ao valor deste mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ataque na Coreia do Sul arrasa moedas virtuais. Bitcoin já perde metade do valor desde o início do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião