WiFi4… ninguém. Bruxelas cancela primeira fase do concurso

  • Lusa
  • 15 Junho 2018

A convocatória foi cancelada devido a problemas técnicos. Os municípios e empresas já registados “não terão de fazer uma nova inscrição”.

A Comissão Europeia cancelou as primeiras propostas apresentadas no âmbito do concurso para a atribuição de apoios financeiros aos municípios para instalarem internet sem fios grátis, devido a “problemas técnicos” no portal da candidatura, foi anunciado esta sexta-feira.

“Na sequência dos problemas técnicos do portal WiFi4EU que impossibilitaram os interessados de se candidatarem aos vales em igualdade de condições, a Comissão Europeia decidiu cancelar a primeira convocatória à apresentação de propostas”, informa a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), entidade que está a promover o projeto em Portugal, em nota publicada na sua página na internet.

Em meados de maio, os 264 municípios portugueses que se registaram anteriormente para receber apoios financeiros da Comissão Europeia, no âmbito da iniciativa WiFi4EU – que visa internet grátis na Europa -, tiveram de submeter a sua candidatura ‘online’ para efetivar a proposta.

Tanto estes como outros municípios e empresas de outros países já registados “não terão de fazer uma nova inscrição”. “Serão ainda informados por correio eletrónico da reabertura do portal, bem como da data de lançamento do próximo convite à apresentação de candidaturas”, aponta a Anacom.

Quanto aos restantes, “está previsto um novo convite à apresentação de candidaturas no outono de 2018, em data a anunciar”, período no qual o portal já deverá estar “restabelecido após a resolução dos respetivos problemas informáticos”.

O WIFI4EU é uma iniciativa da Comissão Europeia, com uma dotação de 120 milhões de euros até 2020, que visa promover o acesso à Internet sem fios, de forma gratuita, nos espaços públicos europeus. Nesta primeira fase do projeto, estão em causa 15 milhões de euros.

Apesar de o vale atribuído a cada município ou entidade (noutros países, podem ser as próprias empresas a candidatar-se) ser na ordem dos 15 mil euros, há casos em que a verba pode chegar aos 100 mil euros, isto para redes mais amplas. Este montante destina-se ao investimento inicial, em questões como a aquisição de equipamentos ou a sua instalação.

Até 2020, haverá um mínimo de 15 e um máximo de 80 municípios ou entidades selecionadas em cada país. Ao todo, cada Estado-membro receberá 8% do orçamento total. A Comissão Europeia espera abranger 628 mil comunidades locais com a iniciativa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

WiFi4… ninguém. Bruxelas cancela primeira fase do concurso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião