Ministério Público investiga casas vendidas por Pinho a fundo do BES em 2009

  • ECO
  • 19 Junho 2018

De acordo com o Expresso, um dos negócios que está a ser investigado é a venda de dois apartamentos no centro de Lisboa em 2009 ao então Banco Espírito Santo (BES).

O Ministério Público está a investigar a venda, em 2009, de dois apartamentos ao então Banco Espírito Santo (BES) por parte do antigo ministro da Economia Manuel Pinho, avança o Expresso (acesso pago).

De acordo com o semanário, não são só as decisões de Pinho enquanto ministro da Economia, relativamente à EDP e ao Grupo Espírito Santo (GES), que estão a ser analisadas. Os negócios do antigo governante com o GES também estão na mira.

O Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) pediu ao Fungepi – Fundo de Gestão de Património Imobiliário do Novo Banco “toda a documentação original relativa à aquisição e posterior alienação de duas frações no prédio sito na Rua Saraiva de Carvalho, número 68, em Lisboa, incluindo informações, análises e propostas que suportaram tais negócios”, avança.

Ainda de acordo com a edição diária do Expresso, o negócio foi feito uma semana depois de Manuel Pinho se ter demitido do governo de José Sócrates. A notícia recorda o artigo da revista Visão, que indica que, em julho de 2009, Pinho e a mulher venderam dois T4, através da empresa Pilar Jardim, ao Fungepi, por 1,5 milhões de euros. Cada imóvel estava avaliado na altura em 300 mil euros e, dois anos depois, o fundo do BES alienou as duas casas, perdendo dinheiro. Estas duas frações fazem parte do edifício que Manuel Pinho comprou ao BES, por 800 mil euros, através da sociedade Pilar Jardim, criada em 2004.

Em causa estava um edifício onde viveu o escritor Almeida Garrett — Pinho demoliu-o e construiu um edifício com quatro apartamentos, tendo ficado com um deles e vendido outras duas frações ao Fungepi. Em junho de 2009, vendeu outro apartamento (T2), por meio milhão de euros, a Manuel Sebastião, que na altura era presidente da Autoridade da Concorrência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público investiga casas vendidas por Pinho a fundo do BES em 2009

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião