Bloco de Esquerda “quer ser força de Governo, com uma nova relação de forças”

  • ECO
  • 20 Junho 2018

Moção das principais tendências bloquistas à próxima Convenção diz que "o Bloco apresenta-se ao ciclo eleitoral de 2019 em torno do seu próprio programa e para disputar a representação da maioria".

O Bloco de Esquerda elogia “a convergência à esquerda com o PCP”, mas assume que, em 2019, “quer ser força de Governo, com uma nova relação de forças”.

Estes são dois dos pontos da moção das principais tendências bloquistas à próxima Convenção, intitulada “Um Bloco mais forte para mudar o país”, à qual a agência Lusa teve acesso. De acordo com o artigo publicado pelo Expresso, o Bloco defende que um Governo de esquerda dá “mais garantia ao povo”.

Em 2019, o Bloco quer ser força de governo, com uma nova relação de forças. Um Governo de esquerda dá uma garantia ao povo: defende o salário, a pensão e o emprego. Não aceita recuos, nem a precarização do trabalho, nem a redução do salário e da pensão”, indica. No entanto, de acordo com a última sondagem da Aximagem, os eleitores de esquerda querem uma reedição da geringonça: 56% dos eleitores PS ou do Bloco defendem uma nova aliança à esquerda. Mas este valor sobe 62% quando a questão é colocada aos eleitores da CDU.

O texto — subscrito pela coordenadora nacional, Catarina Martins, pelo líder parlamentar, Pedro Filipe Soares, e pela eurodeputada Marisa Matias — indica que “o Bloco apresenta-se ao ciclo eleitoral de 2019 em torno do seu próprio programa e para disputar a representação da maioria”. A mesma sondagem da Aximagem, divulgada revela que o Bloco tem 10% das intenções de voto e o PCP 8%, valores que se têm, mais ou menos, idênticos.

O BE considera ainda que o PS procura “uma maioria absoluta ao centro” e que o líder do PSD se assume “já como futuro colaborador de um Governo socialista”. “O poder económico aposta na maioria absoluta do PS e, pelo seu lado, Rui Rio assume-se já como futuro colaborador de um governo PS, num bloco central subordinado”, diz o texto da moção a que a Lusa teve acesso.

De acordo com o texto, “assiste-se a uma pressão crescente para recuperar políticas de bloco central e afastar a influência da esquerda”. “O PS procura uma maioria absoluta ao centro e abre a porta a convergências à direita“, tendo no último congresso realizado “uma viragem do discurso” ao apresentar esta experiência de governação “como um parêntesis na história do partido”, lê-se na moção.

A moção admite que “a convergência à esquerda com o PCP é uma componente importante dos avanços sociais neste período e no futuro”, valorizando o BE “um elevado grau de convergência de posições com o PCP, nomeadamente em questões económicas e laborais, ao nível parlamentar e também no terreno social”, desde logo porque partilham “responsabilidades na viabilização da atual solução política”. Mas os bloquistas assumem que mantiveram com os comunistas “divergências importantes em matérias como a paridade entre homens e mulheres, a legalização da canábis, a extensão da procriação medicamente assistida ou a despenalização da morte assistida”.

“A persistência de acusações sectárias não impedirá o Bloco de se continuar a empenhar no sentido do desenvolvimento das possibilidades de convergência e da recusa do sectarismo entre as esquerdas”, avisam os bloquistas. E adiantam que vão concorrer “em listas próprias” às eleições europeias, juntando “forças à esquerda, numa candidatura internacionalista que recusa a submissão aos tratados”.

Sobre as eleições regionais da Madeira, a moção refere que “a criação de alternativa à esquerda depende do reforço do Bloco de Esquerda”. “O PSD de Miguel Albuquerque está enfraquecido e, pela primeira vez, é possível retirar a direita do governo. O PS decidiu candidatar Paulo Cafôfo, que ganhou a Câmara Municipal do Funchal numa coligação em que o Bloco participa desde a primeira hora”, indicam

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloco de Esquerda “quer ser força de Governo, com uma nova relação de forças”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião