Contribuintes declaram menos despesas com educação

  • ECO
  • 20 Junho 2018

As famílias portuguesas declararam menos gastos com educação no IRS de 2016, mas subiram as despesas com saúde. Há ainda mais de 300 novos agregados com rendimentos anuais acima de 250 mil euros.

As famílias portuguesas declararam menos gastos com educação no IRS entregue em 2017 e relativo ao ano anterior. É uma das conclusões a que se chega pela análise das estatísticas divulgadas esta terça-feira pelo Fisco, segundo avançou o Diário de Notícias.

Os números mostram que não só foram menos as famílias a declararem despesas com educação, como também caiu o valor global desta dedução.

Menos 51 mil famílias reportaram ao Fisco gastos desta categoria e o valor das deduções caiu de 262 milhões de euros em 2015 para 257 milhões de euros em 2016. E, como indica o jornal, existem vários fatores que podem estar na origem desta queda.

Por um lado, os portugueses podem estar a trocar mais manuais escolares (que costuma ser uma das maiores despesas com educação). Por outro, as faturas vieram apertar o crivo das despesas que podem ajudar a baixar os impostos.

Em contrapartida, em 2016, as despesas com saúde aumentaram de 414 milhões para 421 milhões de euros. Mas o número de contribuintes a declararem despesas desde tipo baixou em cerca de 13 mil, segundo o Diário de Notícias.

O jornal indica também que mais 342 agregados familiares entraram para um patamar de rendimentos acima de 250 mil euros, enquanto mais 4.000 famílias conseguiram gerar rendimentos entre 100 mil e 250 mil euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contribuintes declaram menos despesas com educação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião