Câmara de Lisboa aprova moção contra fecho de balcões da CGD

  • Lusa
  • 22 Junho 2018

Moção do PCP para demonstrar "total discordância" da autarquia sobre o encerramento de agências da CGD foi aprovada pela Câmara Municipal de Lisboa, na quinta-feira.

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou, na quinta-feira, uma moção do PCP para demonstrar a “total discordância” da autarquia sobre o encerramento de agências da Caixa Geral de Depósitos (CGD) na cidade, em reunião privada do executivo.

O PCP/Lisboa apresentou uma moção, votada na reunião que decorreu nos Paços do Concelho, na qual propõe que a Câmara de Lisboa demonstre “a sua total discordância relativa a esta política de encerramento de balcões da CGD“.

O documento também pede ao executivo liderado por Fernando Medina (PS) que exija ao Governo e à administração da Caixa Geral de Depósitos para colocar um “fim a mais este ataque ao serviço público bancário”, elencando também a demonstração de “total solidariedade com as populações e os trabalhadores diretamente afetados pelos encerramentos” de agências.

A moção dos comunistas foi aprovada por todos os partidos, mas a alínea relativa à exigência ao Governo e à administração da Caixa para reverter a decisão foi rejeitada pelo PS.

O vereador comunista da Câmara de Lisboa João Ferreira disse à agência Lusa que a proposta “só foi parcialmente aprovada”, devido à rejeição dos socialistas ao ponto que pedia a reversão do encerramento das agências.

“Ficou coxa, digamos assim, por o PS ter tido essa posição”, considerou.

O vereador do CDS-PP João Gonçalves Pereira considerou a moção “uma matéria importante”, mas estranhou a posição do PCP, estendendo críticas ao Governo de António Costa.

“Parece-nos estranho que o PCP tome essa posição em reunião de Câmara, mas depois suporta um Governo cujo primeiro-ministro diz não ter nada que ver com o assunto”, afirmou.

O PSD também votou favoravelmente, mas o vereador João Pedro Rocha explicou à Lusa que a matéria é sensível e, apesar de ser necessário demonstrar a posição contra o encerramento dos balcões da CGD, “há um equilíbrio financeiro que tem de ser assegurado”.

Já o vereador bloquista, Ricardo Robles, disse que o BE está “solidário com a população nessa luta”.

Questionado sobre o voto contra do PS no segundo ponto da moção, o vereador, que tem os pelouros da Educação e Direitos Sociais (na sequência de um acordo de governação da cidade firmado com o PS após as últimas eleições autárquicas), considerou que “é a posição do PS, já é conhecida, a do Bloco é diferente”.

A CGD vai fechar cerca de 70 agências este ano, a maioria já este mês e nas áreas urbanas de Lisboa e Porto, indicou, na semana passada em comunicado, o banco público, sem precisar quantas são exatamente as agências que fecharão até final de junho nem onde se situam, dizendo apenas que muitos desses balcões estão em áreas urbanas.

Segundo informações recolhidas pela Lusa nas últimas semanas, entre as agências da CGD que irão fechar estão São Vicente da Beira (Castelo Branco), Darque (Viana do Castelo), Grijó e Arcozelo (Gaia), Pedras Salgadas (Vila Pouca de Aguiar), Prior Velho (Loures), Alhandra (Vila Franca de Xira), Abraveses e Rua Formosa (Viseu), Louriçal (Pombal), Avanca (Estarreja), Desterro (Lamego), Carregado (Alenquer), Colos (Odemira) e Alves Roçadas (Vila Real), Nogueira do Cravo (Oliveira de Azeméis), Perafita (Matosinhos) e Coimbra.

A redução da operação da CGD, incluindo o fecho de 180 balcões em Portugal até 2020, foi acordada entre o Estado português e a Comissão Europeia como contrapartida pela recapitalização do banco público feita em 2017.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa aprova moção contra fecho de balcões da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião