Maioria das casas de porteira em Lisboa e Porto foram vendidas ou arrendadas

  • Lusa
  • 24 Junho 2018

Nem as casas de porteira escapam ao boom imobiliário. Cerca de 70% deste imóveis já foram vendidos ou arrendados para habitação, garante a Loja do Condomínio.

A Loja do Condomínio (LDC), que administra 6.800 condomínios em Portugal com 170.000 proprietários, revelou, este domingo, que cerca de 70% das casas de porteira dos condomínios em Lisboa e no Porto já foram vendidas ou arrendadas para habitação.

“Essa dinâmica deriva mais do Grande Porto e Lisboa, que é onde tradicionalmente temos as casas de porteira, portanto no resto do país praticamente isso não é relevante”, afirmou à Lusa o diretor executivo da LDC, Paulo Antunes, advogando que “como há muito tempo já não é quase possível recrutar porteiras, isso tem vindo a levar que as casas vão para outros destinos, principalmente para conseguirem alguma receita para fazer face a outras despesas”.

De acordo com o responsável da LDC, a dinâmica de venda de casas de porteira tem-se verificado “ao longo dos últimos anos, da última década”, tendo em conta a não-utilização das mesmas.

“Não posso, neste momento, dizer que temos agora, nesta fase, um incremento maior da venda, ou seja, tem gradualmente vindo a acontecer e, por norma, acaba por estar colado à necessidade não da venda para realizar dinheiro, mas a venda porque precisam de fazer obras. Então, como não há dinheiro, os condóminos não têm dinheiro, têm ali um recurso e acabam por optar pela venda, assim como pelo arrendamento”, explicou Paulo Antunes, indicando que existem mais casas da porteira em arrendamento para habitação do que propriamente a serem vendidas e a saírem da esfera do condómino em definitivo.

As casas de porteira concentram-se nas zonas mais antigas das cidades de Lisboa e do Porto, disse o representante da LDC, referindo que “foi uma moda de uma determinada época que hoje em dia já nem sequer se verifica”.

“Claramente que já não existe essa utilidade […], tem havido uma migração desse tipo de serviços, da tradicional porteira, para empresas externas que se contratam”, reforçou Paulo Antunes, avançando que “muitos dos condomínios mais recentes nem sequer já têm casa de porteira”.

Questionado sobre o uso de casas de porteira para investimentos no setor do turismo, o diretor executivo da LDC disse desconhecer qualquer caso de transação ou arrendamento destas frações para alguém que é operador do alojamento local ou com esse fim.

“Não tenho conhecimento. Não quer dizer que não possa existir pontualmente, mas não o vejo como fenómeno direto de venda da casa da porteira para alojamento local”, frisou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Maioria das casas de porteira em Lisboa e Porto foram vendidas ou arrendadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião