Avaliação das casas continua a tocar máximos. Sobe há 14 meses

  • Rita Atalaia
  • 27 Junho 2018

O valor da avaliação bancária subiu para 1.176 euros por metro quadrado em maio. Atingiu o valor mais elevado desde junho de 2010.

O preço a que os bancos avaliam as casas para efeito de concessão de crédito voltou a aumentar. O valor da avaliação bancária atingiu, em média, os 1.176 euros por metro quadrado em maio, um máximo desde o verão de 2010.

Os dados são do Instituto Nacional de Estatística (INE), que revela que o valor médio de avaliação bancária, de 1.176 euros em maio, representa um aumento de 0,4% relativamente a abril e de 5,9% face ao mesmo mês do ano passado. Em abril, tinha ficado nos 1.171 euros, quando no mesmo mês do ano passado estava em 1.111 euros.

Este foi o 14.º mês consecutivo de aumento dos preços, levando-os para o nível mais elevado desde junho de 2010, antes da chegada da troika a Portugal, quando o valor médio da avaliação bancária se situou exatamente no mesmo valor por metro quadrado.

Valor da avaliação bancária em máximo de junho de 2010

No acumulado do ano, o preço do metro quadrado em Portugal já aumentou em 26 euros, um crescimento de 2,26%. Na prática, assumindo um imóvel com 100 metros quadrados, custa mais 2.600 euros que no final do ano passado, período em que a avaliação feita pelos bancos às casas registou uma subida de 4,55%.

Por tipologias, os apartamentos brilham tanto na variação dos preços como no valor do metro quadrado. O valor médio de avaliação bancária destes imóveis subiu oito euros em maio, para 1.232 euros por metro quadrado. No caso das moradias, o valor manteve-se nos 1.074 euros por metro quadrado. Caiu 0,28% no mês anterior.

Algarve acelera antes do verão

Lisboa continua a ser a região mais cara do país, com uma avaliação média bancária de 1.428 euros por metro quadrado, mas entre abril e maio, os preços registaram uma variação reduzida: cresceram 0,35%, ou seja, cinco euros. Os maiores aumentos verificaram-se no Algarve (+1,4%) e no Alentejo (+0,8%), de acordo com o INE.

“De acordo com o Índice do valor médio de avaliação bancária, em maio, o Algarve, a Área Metropolitana de Lisboa e a Região Autónoma da Madeira apresentaram valores de avaliação superiores à média nacional (26%, 21% e 10% acima ao registado para o país, respetivamente)”, salienta o instituto de estatística.

Em sentido contrário, foi a Região Autónoma dos Açores que registou a única descida: recuou 1,7%, depois de ter sido uma das regiões que registou o maior crescimento no mês anterior. No entanto, a “região do Alto Alentejo foi aquela que apresentou o valor mais baixo em relação à média nacional (-31%)”, remata.

(Notícia atualizada às 11h13 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Avaliação das casas continua a tocar máximos. Sobe há 14 meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião