Adeus, cartões de negócios. LinkedIn lança partilha de perfil por QR Code

Os tempos em que se pediam cartões de negócios acabaram. Quem o diz é o LinkedIn, que acaba de anunciar uma nova forma de partilhar a informação profissional: através de um QR Code individualizado.

Os cartões de negócios têm os dias contados? O LinkedIn está a esforçar-se para que a resposta a essa pergunta seja um redondo ‘sim’ e para que, em vez de pedaços de papel, os profissionais usem os seus perfis nessa rede social para distribuírem as suas informações. Por isso, a plataforma liderada por Jeff Weiner acaba de lançar uma nova funcionalidade que permite a partilha da página pessoal de cada utilizador através de um QR Code individualizado.

Funcionalidade já está disponível para iOS e Android.LinkedIn

Sabemos o quão difícil é fixar nomes e trocar contactos para que possa ficar em contacto com quem conhece. Ligar-se ao LinkedIn é uma boa forma de construir uma comunidade profissional e queremos facilitar ainda mais esse processo”, anunciou, no seu site, a rede social.

O código pode ser encontrado na aplicação móvel do LinkedIn e permite dois tipos de utilização: a tradicional, isto é, quando um utilizador passa a câmara do seu smartphone por um destes códigos, abre-se o perfil do profissional com quem está; ou, por outro lado, através da sua incorporação na assinatura do email, em brochuras e currículos, bem da partilha através de aplicações de conversa.

Esta funcionalidade já está disponível para iOS e Android, sendo o seu lançamento acompanhado ainda de uma outra pequena atualização à plataforma. Nas próximas semanas, as publicações divulgadas nesta rede social vão passar a ser acompanhadas do conhecido botão “Ver tradução”, já adotado pelo Facebook e pelo Twitter.

Adquirido pela Microsoft em 2016, o LinkedIn tem vindo a lançar ferramentas próximas dos restantes produtos detidos gigante de Bill Gates. O botão de tradução agora anunciada é apenas outro desses exemplos, já que a tecnologia em causa está presente em produtos como o Office, o Skype e o Bing.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Adeus, cartões de negócios. LinkedIn lança partilha de perfil por QR Code

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião