Alunos portugueses são dos que mais dependem dos pais para pagar a universidade

  • ECO
  • 4 Julho 2018

Em Portugal, as famílias suportam 56% das despesas dos estudantes na universidade, sendo que apenas 13% dizem respeito a custos diretos com a educação.

Em toda a Europa, os alunos universitários portugueses são dos que mais dependem das famílias para frequentar a universidade, de acordo com um estudo Eurostudent, citado pelo Público (acesso condicionado). Os estudantes nacionais são responsáveis por apenas 44% das despesas que acarretam uma frequência universitária, sendo a habitação a maior despesa, principalmente em Lisboa.

Portugal ocupa a quarta posição num ranking de 28 países europeus, que avalia as condições socioeconómicas da vida dos estudantes. As famílias portuguesas suportam a maioria dos custos do estudante — 56%. A nível europeu, em média, os alunos são responsáveis por dois terços das suas despesas mensais, ficando os pais responsáveis pelo resto.

De acordo com o estudo, 49% dos universitários portugueses vivem com os pais durante a sua licenciatura ou mestrado, um número superior à média internacional que está fixada em 36%. Este cenário está diretamente relacionado com o facto de os estudantes portugueses estarem entre aqueles que mais tarde saem de casa dos pais.

A maioria das despesas durante esta fase estudantil está relacionada com a habitação e alimentação, sendo que apenas 13% diz respeito a custos diretos com a educação, como propinas ou livros. Citando um estudo do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, o Público dá conta de que a casa é um dos gastos mais comuns entre os estudantes, tendo bastante influência na frequência do ensino superior.

Lisboa continua a destacar-se como a cidade mais cara, em Portugal, com os estudantes que vivem com os pais a gastarem mais 125 euros do que outros colegas em cidades mais pequenas. Com a alimentação, a situação é semelhante: os estudantes na capital gastam, no mínimo, mais 52 euros por mês do que os seus colegas noutras cidades de menor dimensão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alunos portugueses são dos que mais dependem dos pais para pagar a universidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião