Finanças retêm cerca de quatro milhões de euros dos orçamentos das escolas

  • ECO
  • 5 Julho 2018

O dinheiro solicitado pelas escolas ao Ministério das Finanças no início do ano ainda não foi devolvido. Já há instituições a pedir reforços orçamentais.

Desde o início do ano civil que as escolas estão à espera de quase quatro milhões de euros que fazem parte dos seus orçamentos privados e que estão retidos pelo Ministério das Finanças. Com estes atrasos, protelam-se também obras de requalificação das instituições e outros projetos pedagógicos, adianta o Público (acesso condicionado). O Governo comprometeu-se a resolver esta situação “muito em breve”.

escolas que já estão a solicitar reforços orçamentais, algo que costuma acontecer apenas no final do ano. Em causa estão receitas próprias angariadas pelas instituições de ensino e que, todos os anos, têm de ser entregues ao Governo por questões contabilísticas, no final de cada ano civil. Em janeiro, essas quantias voltam a ser solicitadas pelas escolas, sendo devolvidas por volta de março ou abril. Este ano, solicitadas essas devoluções, o dinheiro ainda não foi devolvido.

A nível nacional, a dívida ascende aos quatro milhões de euros, variando de instituição para instituição. Numa das escolas com que o Público falou, o valor rondava os três mil euros, havendo outras em que ultrapassa os 14 mil euros. Quanto a isto, o Ministério da Educação remeteu o caso para o Ministério das Finanças, que reconheceu a situação e garantiu que “estará regularizada muito em breve”.

No final de cada ano civil, o que sobra do orçamento das escolas é devolvido ao Governo, e as verbas que não tenham sido gastas, da parte que é transferida pelo Ministério da Educação, revertem de forma definitiva para o Estado. Relativamente ao orçamento privativo, este é igualmente transferido para o Ministério das Finanças, sendo que os diretores têm de requisitar o reenvio destas verbas no início do ano. É esta parte que ainda não foi devolvida pelo Estado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças retêm cerca de quatro milhões de euros dos orçamentos das escolas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião