Reforma dos direitos de autor online chumbada no Parlamento Europeu. Memes estão a salvo

  • Juliana Nogueira Santos
  • 5 Julho 2018

A votação terminou com 278 votos a favor e 318 contra, o que faz com que esta tenha de ser revista antes de poder voltar a ser votada pelos eurodeputados.

O Parlamento Europeu chumbou esta quinta-feira os Artigos 3.º, 13.º e 11.º que previam a reforma dos direitos de autor, incidindo principalmente no conteúdo online. A votação terminou com 278 votos a favor e 318 contra, o que faz com que esta tenha de ser revista antes de poder voltar a ser votada pelos eurodeputados.

Esta reforma tinha como objetivo conter a pirataria online e a utilização indevida dos conteúdos, ao proteger a propriedade intelectual e os direitos de autor para os conteúdos publicados na internet. Ainda assim, as medidas não foram bem recebidas pelos utilizadores online, uma vez que poriam em causa um dos conteúdos mais populares: os memes.

Ao serem implementadas, as novas regras iriam obrigar as plataformas online, tais como o Google, o Facebook ou o Twitter, a instalarem ferramentas de reconhecimento de conteúdo, ou seja, que identificassem na altura do upload, se aquele conteúdo era protegido por direitos de autor ou não.

Para além dos memes, imagens habitualmente criadas através de conteúdo retirado de fotografias, séries, filmes, as plataformas de partilha de informação estariam também em maus lençóis, como é o exemplo da Wikipedia ou do GitHub. Os críticos destas medidas apontavam como principal consequência a destruição da cultura da Internet.

Na Internet, a notícia foi recebida entre aplausos e… memes. No Twitter, já são muitas as reações favoráveis a esta votação, que é agora adiada para setembro. As medidas serão agora revistas para voltar a plenário.

(Notícia atualizada às 12h27 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reforma dos direitos de autor online chumbada no Parlamento Europeu. Memes estão a salvo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião