O que mudaria no Código do Processo Civil? Magistrados e advogados respondem, em debate

O Círculo de Advogados de Contencioso anuncia a quarta edição da conferência Diálogos Magistrados Advogados, com o tema “O que mudaria no Código do Processo Civil”,  a decorrer no próximo dia 13.

O Círculo de Advogados de Contencioso anuncia a quarta edição da conferência Diálogos Magistrados Advogados, com o tema “O que mudaria no Código do Processo Civil”, a decorrer no próximo dia 13 de julho, no Hotel Palácio, no Estoril.

Assente no seu objetivo de promover a reflexão e a melhoria constante da prática do contencioso civil e comercial, o Círculo promove mais uma edição, este ano para o debate do Código do Processo Civil, num ano marcado por casos mediáticos na justiça, com um aceso debate público e político em torno da celeridade e eficácia da justiça em Portugal.

“Na quarta edição desta conferência creio já não haver dúvidas sobre a importância destas iniciativas do Círculo para a Justiça em Portugal. Um olhar crítico sobre o Código do Processo Civil é central para podermos compreender uma grande parte dos problemas que têm vindo a ser apontados à celeridade e eficácia da justiça no nosso país”, afirmou o presidente do Círculo de Advogados de Contencioso, Soares Machado, em declarações enviadas à Advocatus.

A conferência apresenta quatro painéis principais, compostos por magistrados e advogados, que vão fazer uma análise atenta, promovendo o debate em torno do código que regula a tramitação processual dos processos da jurisdição civil.

Assuntos como a réplica, a possibilidade de modificação do pedido e causa de pedir, dos fundamentos da revista excecional e do âmbito do recurso de uniformização de jurisprudência vão estar em destaque.

Poderá inscrever-se na conferência aqui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que mudaria no Código do Processo Civil? Magistrados e advogados respondem, em debate

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião