Instituto Miguel Galvão Teles debate inteligência artificial

Nos próximos dias 21 e 22 de junho, o Instituto Miguel Galvão Teles (IMGT) promove uma conferência internacional de dois dias, a propósito de “Inteligência Artificial: Disrupção e Oportunidade”.

Nos próximos dias 21 e 22 de junho, o Instituto Miguel Galvão Teles (IMGT) promove uma conferência internacional de dois dias, sobre o tema “Inteligência Artificial: Disrupção e Oportunidade”. No primeiro dia, a abertura da sessão estará a cargo de João Soares da Silva, chairman da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados (MLGTS), de Rui Patrício, co-coordenador do IMGT, e Pedro Rocha Vieira, CEO da Beta-i.

A discussão iniciar-se-á com a participação de José Luís Jacinto, do ISCSP, com o tema “Efeitos da robotização e da inteligência artificial sobre o trabalho”. Segue-se Steven Ter Horst, Chief Innovation Officer da Houthoff, para apresentar “AI in the legal world”. O encerramento conta com uma mesa-redonda sobre inteligência artificial em diversos setores de atividade, moderada por André Veríssimo, diretor do Jornal de Negócios, e contando com a presença de Pedro Fonseca, da James, Gianluca Pereyra, da Visor.ai, Hugo Ferreira, da NeuroPsyCad e Jason Lee, da Illumr.

No segundo dia, Arlindo Oliveira, do IST, apresentará o painel “Inteligência Artificial: Oportunidades e Desafios”, seguindo-se Andreas Matthias, da Universidade de Lingnan, com o tema “Robot Ethics and Human Dignity”. Ainda sobre a questão ética, Afonso Seixas Nunes, sj, propõe-se a responder à pergunta “Autonomous Weapon Systems: will weapon systems have the right to kill?”.

Já o debate de 22 de junho será moderado por José Júlio Alferes, da FCT-Nova, incluindo Maria Carmo-Fonseca, Presidente do IMM, Andreas Matthias e Afonso Seixas Nunes, sj. O encerramento será feito por Nuno Galvão Teles, managing partner da MLGTS, e Pedro Rocha Vieira.

"Para a MLGTS, a inovação tem muitas vertentes, que importa discutir num cenário mais amplo. A inteligência artificial é apenas uma delas, mas apresenta questões particularmente complexas. Com esta conferência, olhamos para o seu impacto em vários domínios, certos de que este não é um tema do futuro, mas um desafio ao nosso quotidiano. ”

Nuno Galvão Teles

Managing partner da MLGTS

Explicando a importância desta iniciativa, Nuno Galvão Teles afirma que “para a MLGTS, a inovação tem muitas vertentes, que importa discutir num cenário mais amplo. A inteligência artificial é apenas uma delas, mas apresenta questões particularmente complexas. Com esta conferência, olhamos para o seu impacto em vários domínios, certos de que este não é um tema do futuro, mas um desafio ao nosso quotidiano. A profissão e o próprio trabalho estão numa fase de evolução muito rápida, desde logo com a automatização de determinadas diligências. O IMGT tem tido um papel interno de debate e aprofundamento desta evolução, que agora partilhamos publicamente com esta conferência”.

Pode consultar o programa detalhado do evento aqui. As inscrições devem ser feitas através do endereço imgt@mlgts.pt.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Instituto Miguel Galvão Teles debate inteligência artificial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião