Instituto Miguel Galvão Teles debate inteligência artificial

Nos próximos dias 21 e 22 de junho, o Instituto Miguel Galvão Teles (IMGT) promove uma conferência internacional de dois dias, a propósito de “Inteligência Artificial: Disrupção e Oportunidade”.

Nos próximos dias 21 e 22 de junho, o Instituto Miguel Galvão Teles (IMGT) promove uma conferência internacional de dois dias, sobre o tema “Inteligência Artificial: Disrupção e Oportunidade”. No primeiro dia, a abertura da sessão estará a cargo de João Soares da Silva, chairman da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados (MLGTS), de Rui Patrício, co-coordenador do IMGT, e Pedro Rocha Vieira, CEO da Beta-i.

A discussão iniciar-se-á com a participação de José Luís Jacinto, do ISCSP, com o tema “Efeitos da robotização e da inteligência artificial sobre o trabalho”. Segue-se Steven Ter Horst, Chief Innovation Officer da Houthoff, para apresentar “AI in the legal world”. O encerramento conta com uma mesa-redonda sobre inteligência artificial em diversos setores de atividade, moderada por André Veríssimo, diretor do Jornal de Negócios, e contando com a presença de Pedro Fonseca, da James, Gianluca Pereyra, da Visor.ai, Hugo Ferreira, da NeuroPsyCad e Jason Lee, da Illumr.

No segundo dia, Arlindo Oliveira, do IST, apresentará o painel “Inteligência Artificial: Oportunidades e Desafios”, seguindo-se Andreas Matthias, da Universidade de Lingnan, com o tema “Robot Ethics and Human Dignity”. Ainda sobre a questão ética, Afonso Seixas Nunes, sj, propõe-se a responder à pergunta “Autonomous Weapon Systems: will weapon systems have the right to kill?”.

Já o debate de 22 de junho será moderado por José Júlio Alferes, da FCT-Nova, incluindo Maria Carmo-Fonseca, Presidente do IMM, Andreas Matthias e Afonso Seixas Nunes, sj. O encerramento será feito por Nuno Galvão Teles, managing partner da MLGTS, e Pedro Rocha Vieira.

"Para a MLGTS, a inovação tem muitas vertentes, que importa discutir num cenário mais amplo. A inteligência artificial é apenas uma delas, mas apresenta questões particularmente complexas. Com esta conferência, olhamos para o seu impacto em vários domínios, certos de que este não é um tema do futuro, mas um desafio ao nosso quotidiano. ”

Nuno Galvão Teles

Managing partner da MLGTS

Explicando a importância desta iniciativa, Nuno Galvão Teles afirma que “para a MLGTS, a inovação tem muitas vertentes, que importa discutir num cenário mais amplo. A inteligência artificial é apenas uma delas, mas apresenta questões particularmente complexas. Com esta conferência, olhamos para o seu impacto em vários domínios, certos de que este não é um tema do futuro, mas um desafio ao nosso quotidiano. A profissão e o próprio trabalho estão numa fase de evolução muito rápida, desde logo com a automatização de determinadas diligências. O IMGT tem tido um papel interno de debate e aprofundamento desta evolução, que agora partilhamos publicamente com esta conferência”.

Pode consultar o programa detalhado do evento aqui. As inscrições devem ser feitas através do endereço imgt@mlgts.pt.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Instituto Miguel Galvão Teles debate inteligência artificial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião