MLGTS certificada como “Empresa Familiarmente Responsável”

É a primeira vez que uma sociedade de advogados obtém esta certificação, que resulta de um processo de análise e avaliação, qualitativa e quantitativa, marcado por fases de inquéritos e entrevistas.

A Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados (MLGTS) recebeu este mês a certificação enquanto Empresa Familiarmente Responsável. Esta é simultaneamente o reconhecimento de uma política coerente de reforço da aliança entre as esferas do trabalho e da família e o aprofundamento do compromisso futuro com novas medidas de promoção deste equilíbrio.

É a primeira vez que uma sociedade de advogados obtém este tipo de certificação “que resulta de um exigente processo de análise e avaliação, qualitativa e quantitativa, marcado por fases de inquéritos, entrevistas e adequação de políticas e procedimentos”, segundo comunicado do escritório.

Que acrescenta que “o equilíbrio entre vida profissional e vida pessoal e familiar é uma preocupação constante e recebe da MLGTS o maior cuidado”.

Foi “com a preocupação de consolidar a harmonização entre o ambiente profissional e pessoal na vida de todos os advogados e colaboradores”que a MLGTS desenvolveu um conjunto alargado de medidas em áreas como a qualidade do trabalho, a flexibilidade temporal e espacial, o apoio à família, o desenvolvimento pessoal e profissional, a igualdade de oportunidades e a liderança e estilos de direção.

Segundo a mesma fonte, exemplos desta política são “os alertas eletrónicos relativos ao excesso de trabalho, a possibilidade de trabalho a partir de casa, o descanso nos dias de aniversário dos filhos, a política de parentalidade atrativa, as ações de responsabilidade social, as atividades desportivas e as ações de formação”

Segundo o sócio António Pinto Leite, presidente da Comissão de Responsabilidade Social do escritório, a MLGTS quebrou “um tabu na advocacia, que há muito nos desafiava: é possível organizar a advocacia com respeito pela vida pessoal e familiar. Num mundo em que os sistemas de vida parecem apresentar o desaparecimento das fronteiras entre vida pessoal e trabalho como uma fatalidade, o equilíbrio é uma preocupação crescente e permanente. Para o alcançarmos, trabalhamos com medidas muito concretas, em áreas fundamentais. A valorização individual é aqui uma escolha muito consciente: tratar todos com dignidade, conceber a vida na MLGTS como a segunda comunidade, depois da família. Daqui resultam ainda benefícios muito evidentes: num espaço que enaltece os laços humanos, a saúde mental e o bem-estar de cada pessoa, onde cada pessoa tem a motivação adequada, o trabalho de cada um melhora exponencialmente”.

O certificado efr® foi confirmado pela APCER – Associação Portuguesa de Certificação, em colaboração com a ACEGE – Associação Cristã de Empresários e Gestores e com a Fundación Másfamilia, entidades co-emissoras do certificado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MLGTS certificada como “Empresa Familiarmente Responsável”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião